Mano admite dificuldade para controlar elenco e joga culpa no Santos

Técnico diz que veteranos não aceitam tão bem um rodízio e que clube está pressionado pelo bom futebol do rival santista

Mano Menezes admitiu que um elenco grande, e de qualidade, causa dor de cabeça para o treinador. Foi quando respondeu se não seria melhor ser eliminado do Paulista para deixar seus jogadores focados 100% na Libertadores, a prioridade da temporada. O técnico tem tido problemas para administrar o ego de um grupo de veteranos que não aceitam tão bem quanto os garotos um revezamento como o proposto pelo treinador para este primeiro semestre do Corinthians.

"Não seria um alívio [ser eliminado], porque se fosse assim nem teríamos montado este elenco. Seriam menos problemas para administrar, menos gastos, porque o investimento foi alto. Poderíamos apostar mais nas categorias de base, colocar um time júnior para jogar o Paulista", disse o treinador, lembrando ainda o fato de buscar o bicampeonato, algo que torna a competição importante.

Jogadores como Edu e Iarley demonstram descontentamento por não jogar. Mano não fala disso publicamente, mas internamente trata como algo normal e diz que ruim seria ter atletas satisfeitos com a reserva. Mas num certo ponto, como ele mesmo admite, é um problemão administrar várias "cobras" como tem este grupo corintiano. Dos 30 jogadores do elenco, 31 já jogaram (sendo três goleiros). Somente o quarto arqueiro, Danilo, não entrou em campo. Nessa conta estão incluídos os atacantes Edno e Bill, que já deixaram o clube.

A CULPA É DO SANTOS

Sobre a cobrança de imprensa e torcida por um melhor futebol, Mano coloca a culpa no Santos. "Eles estão deixando o povo um pouco mal acostumado. O futebol deles está bem acima da média e estabeleceu um patamar no campeonato que estamos correndo atrás. Agora, não adianta ficar reclamando e tentando diminuir o mérito dos outros. É trabalhar para tentar vencer o Santos se nos cruzarmos lá na frente."

Neste momento, Santos (primeiro) e Corinthians (quarto) se enfrentariam nas semifinais, com vantagem para o Peixe de decidir a vaga na final na Vila Belmiro e de se classificar caso haja dois empates ou vitórias pela mesma diferença de gols.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br