Maracanã fecha após jogo do Fla por 27 meses

Torcidas se despedem do estádio para o início da reforma de 27 meses que vai transformar o complexo em arena com o padrão de exigências da Fifa

Quando o último torcedor cruzar o portão ao fim do jogo entre Flamengo e Santos, neste domingo, o Maracanã entrará no mais longo e transformador recesso de seus 60 anos. Por 27 meses – mais que os 22 necessários para a construção – operários, engenheiros e máquinas vão ocupar o templo das torcidas. A promessa é de que, no final de 2012, o gigante de concreto deixe de ser, como define a secretária de Esportes do estado do Rio, Márcia Lins, “um campo cercado de arquibancadas”. Era este o conceito quando o Estádio Mário Filho foi concebido, para receber a Copa de 1950. A lógica, agora, é a de proporcionar conforto ao público, o que exige uma transformação radical.

O desafio é modernizar o Maracanã fazendo com que ele continue sendo o Maracanã. A geometria original, que faz com que o gigantesco anel seja um dos pontos de visitação do Rio por terra e pelo ar, em passeios de helicóptero, será mantida. A única diferença nesse aspecto será a ampliação da cobertura, que, por exigência da FIFA, deve atingir 100% das áreas de torcida. Uma estrutura metálica circular vai sustentar a malha flexível que protegerá os torcedores da chuva e do calor. Mas, como defende Márcia, a ‘joia’ do futebol brasileiro não pode perder sua identidade. “Nosso desafio é criar um novo Maracanã conservando uma alma de 64 anos”, define, citando a idade que o estádio terá no mundial de 2014. As transformações ao longo do tempo fizeram com que parte dessa alma se perdesse. Se o projeto de 705 milhões de reais cumprir o prometido, a modernidade, que transformará a ida ao estádio em algo como a visita a um museu, ou um passeio no shopping, vai reencontrar a tradição daquele que já foi “o maior do mundo”. Uma das tradições que a reforma pretende resgatar é o uso das rampas monumentais, atualmente desativadas. Desde que foram construídos os camarotes na parte de cima do anel, as rampas deixaram de ser usadas. Reforma do Maracanã Arquibancadas – Na última quinta-feira, restavam poucas unidades das cadeiras azuis que, na reforma de 2000, foram instaladas no espaço que já foi a “geral”. Quando a reforma estiver concluída, os dois níveis da torcida vão se encontrar, separados apenas por uma linha de camarotes. A parte de baixo, onde ficavam as cadeiras azuis, será elevada em cerca de cinco metros. A parte de cima vai avançar 12 metros em direção ao campo. “O torcedor vai ver o jogo de posição privilegiada e, como nos estádios americanos e europeus, vai ficar muito mais perto do campo”, explica o secretário estadual de Obras, Hudson Braga. O padrão de visibilidade exigido pela FIFA determina que todos os espectadores possam enxergar sobre a cabeça do torcedor sentado duas fileiras à frente, em uma linha reta. Os 88 camarotes que ocupam o patamar acima das arquibancadas serão removidos. Em substituição, serão construídos 110 camarotes que, no meio das arquibancadas, terão melhor visão do campo. A mudança também representará um ganho para o grande público, que, com a remoção das construções na parte alta do anel, terá de volta a ventilação do projeto original da construção. Capacidade – Para ser mais confortável, vai ser preciso o Maracanã ficar menor. A capacidade atual, de 86 000 lugares, será reduzida para 76 500. Isso, em parte, porque os assentos serão mais largos – de 48cm passam para 50cm – e mais bem distribuídos, com lugares marcados. A setorização, que faz com que o torcedor saiba exatamente por onde deve chegar à área de arquibancada, faz como que seja mais rápido e cômodo entrar e sair do estádio. O padrão exigido pela FIFA é de 8 a 12 minutos para que todo o estádio seja evacuado. “Nosso projeto prevê que o Maracanã seja totalmente esvaziado num intervalo de sete minutos e meio a oito minutos”, garante o secretário de Obras. A mudança, para atender esse quesito, está na criação de quatro rampas de acesso ao longo do anel – outra característica marcante do novo Maracanã. Área externa – Para transformar o estádio em um “parque”, como prevê o projeto, as grades que ainda guardam áreas restritas em volta do Maracanã vão desaparecer. A maior transformação naquela região, como explica Márcia Lins, será a integração do complexo do Maracanã à Quinta da Boa Vista, que, apesar da distância de apenas cerca de 100 metros, é separada do estádio pela linha do trem. “Vamos construir uma grande passarela, que chamamos de ‘Praçarela’, por transformar a integração entre esses dois parques em uma grande praça”, diz Márcia.

Fonte: Abril, www.abril.com.br