Maurren Maggi é tricampeã com sua melhor marca no ano

Maurren Maggi é tricampeã com sua melhor marca no ano

A campeã olímpica voou e garantiu o tricampeonato, com direito a sua melhor marca nesta temporada.

O resultado ruim no Mundial de Daegu, quando terminou apenas em 11° lugar, ficou para trás. Os três dedos mostrados para o técnico Nélio Moura apontavam o que tinha acabado de alcançar. As lágrimas agora eram de alegria e não de decepção. Com os 6,94m alcançados na final do salto em distância dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, Maurren Maggi não deu chances às rivais. Nesta quarta-feira, a campeã olímpica voou e garantiu o tricampeonato, com direito a sua melhor marca nesta temporada.

- Foi ótimo, perfeito. Para mim, 6,80m já estava muito bom. Acertar os 6,94m para terminar o ano com a minha melhor marca foi perfeito. Eu mostro que estou bem, que ainda tem muita coisa para acontecer ainda. Estou inteira - garantiu a campeã.

Desta vez, a dobradinha comemorada há quatro anos não foi possível. Keila Costa não ficou na quinta colocação (6,37m) e viu a americana Shameka Marshall (6,73m) e a colombiana Chatherine Ibarguen (6,63m) completarem o pódio.

A distância para o terceiro título começou a ficar mais curta já no segundo salto. Maurren atingiu 6,80m e o sorriso deixava claro que ela podia mais. Partiu para a terceira tentativa, atingiu 6,94m e colocou de vez as mãos na medalha que tanto queria. A partir dali a disputa não era mais com as adversárias e sim com ela mesma. Já tinha sua melhor marca em 2011, só que queria chegar aos 7,00m. Não deu. Mas a brasileira saiu da pista com a certeza do dever cumprido.

- Eu estava muito bem preparada. É um salto que me escapou no Mundial. Consegui completar a minha etapa no ano maravilhosamente bem. Trouxe até as outras duas medalhas para me dar sorte - contou Maurren, mostrando as medalhas conquistadas nas edições de 1999 e 2007 que estavam no bolso.

Maurren já estava satisfeita. Confirmava ali estar no caminho certo depois de uma temporada marcada por lesões. A relação afetiva com a competição estava intacta. No primeiro ouro, em Winnipeg-99, seu o rosto ficou conhecido e as portas se abriram. No segundo, na edição do Rio-2007, marcou a retomada da carreira após uma suspensão por doping. O terceiro, nesta quarta-feira em Guadalajara, serviu para retomar a confiança depois de um Mundial tão amargo. Os olhos agora se voltam para as Olimpíadas de Londres-2012.

- Para mim, o Pan era mais importante que o Mundial. Não sei quantas mulheres já foramn tricampeãs pan-americanas. Eu tenho muito orgulho de ser tricampeã. E eu vou até Toronto (próxima edição dos Jogos). Vou até o Rio também (Olimpíadas de 2016) - avisou.

Fonte: Globo Esporte