Messi e Neymar enfrentam desafio do entrosamento dentro de campo

Messi e Neymar enfrentam desafio do entrosamento dentro de campo

“Dono” do time do Barcelona, que taticamente há algum tempo já gira em torno dele, o argentino tem no brasileiro um rival por atenções de mídia.

Diferentes em estilo dentro e fora de campo, Lionel Messi e Neymar se vêem diante do desafio de fazer funcionar uma parceira que na teoria tanto empolga quanto preocupa. ?Dono? do time do Barcelona, que taticamente há algum tempo já gira em torno dele, o argentino tem no brasileiro um rival por atenções de mídia e público e as demonstrações de cordialidade feitas antes mesmo da chegada de Neymar tiveram jeito de território demarcado.

Ao mesmo tempo, a vinda do ex-santista é uma promessa de divisão de fardo para o jogador eleito quatro vezes o melhor do mundo. Depois de uma temporada em que o título espanhol não serviu para compensar a saída pouco gloriosa do Barcelona da Liga dos Campeões, em que foi derrotado pelo Bayern de Munique pelo placar agregado de 7 a 0, nem mesmo Messi escapou incólume das reclamações da torcida e da mídia catalã.

Neymar ?roubará? atenções mesmo que não jogue bem. Mas caso se encaixe no esquema tático do Barcelona, o brasileiro promete desafogar o argentino, que na mais recente temporada sentiu a queda de produção do time, mas acima de tudo a falta de um companheiro de ataque capaz de abrir o leque de opções ofensivas. ?O mais importante é que são dois jogadores de alto nível. Grande atletas sempre entendem uns as outros?, ?cornetou ? recentemente o português Luis Figo, ex-jogador de Barcelona e Real Madrid, e melhor jogador do mundo em 2000.

No entanto, outros ex-barcelonistas não têm tanta certeza. Numa entrevista ao jornal ?Marca?, o holandês Frank de Boer, expressou dúvidas sobre a capacidade de acomodação de egos. ?São dois grandes jogadores, mas vai chegar um momento em que um vai começar a pensar que é mais importante que o outro?, disse De Boer, numa entrevista à edição de julho da revista holandesa ?Total Voetbal?.

Os argumentos céticos se concentram principalmente no caso do sueco Zlatan Ibrahimovic, cuja passagem pelo Barcelona foi marcada por problemas em aceitar que o Barcelona é Messi e mais 10 jogadores. O mesmo Ibrahimovic que veio na direção contrária do camaronês Samuel Eto?o, em 2009, inconformado por ter sido mudado de posição por Pep Guardiola para melhor acomodar Messi. ?Precisava que Xavi e Iniesta me passassem a bola. Mas os dois só viam Messi à frente deles. E sou três vezes maior que o cara?, reclamou o sueco em sua autobiografia.

Recém-chegado a um grupo que conta ainda com um grande número de jogadores formados nas divisões de base do Barcelona, Neymar tem como primeira missão entender e aceitar o status quo catalão. Dentro do campo, porém, ele cai como uma luva em função de sua predileção pelos avanços usando o lado esquerdo do campo. Um setor que foi problemático para o Barcelona na temporada 2012/13 e que nem o uso improvisado de Iniesta surtiu o efeito desejado.

?Custo a acreditar que dois jogadores do calibre de Messi e Neymar não vão conseguir jogar juntos?, afirmou o treinador do Barcelona, Tata Martino, em sua primeira entrevista coletiva após assumir o clube, na semana passada.

Otimismo à parte, o histórico de Messi mostra que a missão não é tão simples. Como o próprio Ibrahimovic descobriu quando viu o argentino pôr a bola debaixo do braço para cobrar um pênalti sofrido pelo sueco num jogo contra o Mallorca, pela Liga Espanhola, em 2010. No fim daquela temporada, o sueco, comprado por 66 milhões de euros (mais do que o Barcelona pagou por Neymar) foi emprestado ao Milan.

Fonte: UOL