Messi se irrita com tratamento a seus irmãos e ao pai de Neymar

Messi se irrita com tratamento a seus irmãos e ao pai de Neymar

A confusão começou quando o técnico Fabio Capello pediu para que os familiares deixassem o banco de reservas e fossem para outro lugar.

Sempre tranquilo em campo e fora dele, o atacante Lionel Messi mostrou uma faceta desconhecida após o jogo beneficente promovido por ele no Peru. Após o ?Duelo de Gigantes?, no qual jogaram os amigos do argentino contra "o resto do mundo", o craque saiu irritado do Estádio Nacional de Lima devido ao tratamento dado pela polícia local aos seus irmãos, ao pai de Neymar e aos filhos de Mario Yepes.

De acordo com o canal de TV peruano ?RPP Noticias?, ao ser substituído aos 20 minutos do segundo tempo, Messi foi escoltado pela polícia peruana, mas nem quis ficar no banco de reservas por causa do incômodo. Ele foi para o vestiário do estádio, não tomou banho e apenas trocou de roupa para sair do local.

A confusão começou quando o técnico Fabio Capello pediu para que os familiares deixassem o banco de reservas e fossem para outro lugar. No entanto, o que causou revolta foi a forma como eles foram retirados do estádio. Segundo o canal de TV, os irmãos de Messi reclamaram da forma como estavam sendo tratados, e os policiais agiram com mais rigor.

Ao perceber a situação, Messi pediu para sair e foi embora, ao lado dos familiares. O jogo terminou com a vitória da equipe dele por 8 a 5.

Amistoso cancelado nos EUA

Outra situação que incomodou o craque foi a desorganização de outra partida beneficente marcada para a noite desta quarta-feira, em Los Angeles. Pelo Facebook, o jogador mostrou sua consternação e disse que os torcedores que perdem com isso.

"Decepcionado com a gestão da partida beneficente em Los Angeles. Eu realmente queria participar e desfrutar como eu fiz no Peru e na Colômbia. Este projeto é feito por mim para os fãs, e é por isso que estou muito decepcionado com a organização. Um abraço especial para aqueles que estavam indo para apoiar esta causa no Memorial Coliseum e agradecer a todos pelo apoio", escreveu.

O vice-presidente de relações públicas da El Padrino Spirits, Ralina Shaw, que é um dos patrocinadores do evento, afirmou isso nunca havia acontecido com a empresa. Eram esperados 50 mil pessoas no jogo.

? Em todos os anos que venho organizando eventos nunca me encontrei com uma situação como essa. É triste porque os únicos que perdem com isso são os fãs que esperavam vê-lo no jogo ? disse Ralina Shaw.

Fonte: Extra