Milan aceita contraproposta do Santos, que aguarda Robinho

Milan aceita contraproposta do Santos, que aguarda Robinho

Italianos topam receber menos que € 6 milhões para liberar o atacante

O sonho do torcedor ver outra vez Robinho com a camisa do Santos ficou mais próximo de se tornar realidade. O Milan aceitou uma contraproposta do Peixe por valores inferiores aos ? 6 milhões (R$ 17,3 milhões) que o clube praiano estudava investir para trazer o ídolo. O desafio, agora, é convencer o atacante a reduzir as exigências salariais e negociar algumas "pedidas paralelas". Há a possibilidade, inclusive, do Alvinegro fazer o pagamento à vista aos italianos.

Na segunda-feira, o vice-presidente do Santos, Odílio Rodrigues, esteve com Marisa Alija, procuradora de Robinho. As exigências do ídolo serão avaliadas na reunião do Comitê de Gestão desta quarta-feira. O resultado das discussões será apresentado à advogada até quinta.

O Santos tem pressa em fechar a negociação, já que a janela para transferências internacionais se encerra no próximo dia 20. Apesar do otimismo, o Peixe adota discurso cauteloso para tratar das negociações, e evita falar em valores.

- Queremos fechar o mais rápido possível, claro. Mas é uma operação complicada, pelo volume (de dinheiro) que envolve. Tudo depende das partes entenderem o que pode se fazer para melhorar (os termos da negociação). São vários itens levados em conta - explica Odílio.

De acordo com a diretoria santista, um representante do Milan, indicado por Robinho, informou ao clube que o atacante desejava quase R$ 1,3 milhões em salários livres de impostos, além de R$ 5,2 milhões em luvas. Os valores, considerados "elevados" pelo Alvinegro, foram negados por Marisa, com quem o Santos passou a negociar. A advogada garante que o jogador aceita receber "bem menos" que a quantia anunciada, mas também prefere não divulgar números.

- Eles terão essa reunião do Comitê e ficaram de nos mandar uma resposta. Estão fazendo contas - resume a procuradora.

Robinho quer retornar ao Santos, o Peixe deseja o jogador e o Milan está decidido a vendê-lo - até por isso baixou a pedida, já que pretende usar o dinheiro captado com a negociação para ir atrás de reforços. O vínculo do atacante segue até agosto do ano que vem e a partir de março, caso não seja vendido agora, o "Pedalada" poderia firmar um pré-contrato com qualquer clube.

Fonte: EGO