Mulherada começa a invadir os campos de futebol do Piauí

Mulherada começa a invadir os campos de futebol do Piauí

A paixão pelo futebol tem levado muitas meninas a se dedicarem um pouco mais ao esporte.

As mulheres estão começando cada vez mais cedo a jogar futebol, e a maioria sonha em ser profissional, mas não vê perspectivas em crescer no Piauí. Mas enquanto as oportunidades não chegam, elas lutam para dar o melhor de si em times locais. Os treinos, além de serem levados a sério, visando competições em campeonatos, também alegram as comunidades onde são realizados. É o caso dos treinos do Flamengo, que acontecem às segundas e sextas- feiras, a partir das 16 horas, no campo do Bairro São João, na zona Leste da cidade.

As jogadoras são de vários bairros de Teresina, de povoados vizinhos e até de outros Estados. São mulheres com idade de 15 a 34 anos e todas estudam e estão se especializando para serem jogadoras profissionais. De acordo com o treinador do time, Dean Lopes, o time foi formado em outubro do ano passado e no momento, treina para participar do Campeonato Piauiense de Futebol, que deverá começar no segundo semestre deste ano, mas ainda sem data definida.

?Também iremos fazer uma turnê pelo interior do Estado. Até o momento já temos confirmados os municípios de Curralinhos e Vaquerama?, informa Dean Lopes, acrescentando que treinar mulheres requer um pouco mais de cuidados, como, por exemplo, entender dias de TPM. As mulheres, na opinião do treinador, são mais disciplinadas, obedientes e têm também, mais força de vontade.



MIKAELLE ALVES

Pasmem... ela joga desde os cinco anos de idade. Isso mesmo. Desde pequena, a jogadora de futebol, Mikaelle Alves, de 15 anos, gosta de jogar futebol. Ela é de Nova Russa, município do Ceará e veio para o Piauí a convite do treinador, para fazer um teste e jogar no Flamengo. A garota tem cinco títulos de torneio início e mais três títulos pelo Flamengo de Itapueira, do Ceará, em seu currículo. ?Sempre gostei de jogar bola e meu sonho é ser uma profissional?, diz a jogadora, que tem como ídola, no esporte, a jogadora Marta, da Seleção Brasileira. Mikaella diz que está gostando de jogar no Flamengo do Piauí e o único problema que está enfrentando é o clima. Na sua cidade, diz ela, a temperatura normal é de 28 graus e aqui está enfrentado um calorzinho, natural. Quanto aos estudos, a jogadora diz que estava cursando o 1° ano do Ensino Médio.



CINDY VALESSA

Também com o sonho de ser jogadora profissional, a garota Cindy Valessa, de 18 anos, conta que joga em times da sua localidade, ela reside no povoado Cerâmica Cil, na zona Sul de Teresina, e sempre quis jogar em time profissional. Ela diz que foi convidada por amigas, fez o teste e passou. ?No Piauí o futebol é ainda difícil de ser valorizado como deveria , e principalmente para mulheres, Ainda sofremos muita discriminação. Sinto isso, durante os jogos, pelos próprios torcedores?, relata Cindy, acrescentando que sua família lhe dá o maior apoio. A jogadora entende que a mulher pode jogar bola, sem perder a feminilidade. Mas entende que dentro de campo, a jogadora tem que ter pulso forte e agir como os homens, quando estão com a bola nos pés. Fora de campo ela diz que é vaidosa e gosta de se cuidar. Cindy Valessa terminou o Ensino Médio e faz curso preparatório para o vestibular.



SAMANTHA MARTINS

A torcedora do São Paulo Futebol Clube, Samantha Martins Pereira da Paz Lima, de apenas 12 anos, é a mais nova jogadora do Flamengo. Ela começou a jogar aos8 anos e não parou mais. Assim como a maioria das jogadoras de futebol,ela sonha em ser jogadora profissional. ?Pretendo jogar na Seleção Brasileira e ser uma jogadora reconhecida. Estou me esforçando muito para que um dia isso aconteça?, comenta.



MAYARA DAYSE ALVES

?Meu sonho é disputar vários campeonatos e conhecer outros lugares do Brasil e ou quem sabe um dia do mundo. Quero mostrar o meu trabalho como jogadora e quem sabe ser descoberta por um olheiro?, diz a jogadora Mayara Dayse Alves Vieira, que, segundo o treinador, Dean Lopes, é uma das melhores zagueiras do futebol piauiense. A garota conta que começou jogando no bairro onde mora, no Bairro Alto da Ressurreição, e nunca mais parou. ?Pretendo ser profissional e jogar em times fora do Estado, porque aqui, o futebol não é muito valorizado e, principalmente o futebol de mulheres?, observa a jogadora do Flamengo de Teresina, que joga futebol desde os 8 anos de idade.

Fonte: Lindalva Miranda