Neymar: “final contra a Espanha seria um sonho”

Jogadores concederam entrevista coletiva na tarde desta quinta

Dowglas Lima

Direto de Brasília

O atacante Neymar e o zagueiro Réver, da seleção brasileira, concederam entrevista coletiva no hotel Brasília Pallace, na capital federal, no começo da manhã desta quinta feira (13). Na ocasião, os atletas falaram à imprensa sobre a reta final de preparação para a estreia, no sábado, diante do Japão, no estádio nacional de Brasília, às 16h.

Zagueiro Réver pede calma ao grupo

Réver começou pedindo calma ao grupo. "Temos que controlar a ansiedade na estreia para que isso não nos atrapalhe", resumiu o jogador, que também elogiou Neymar. "É um jogador espetacular. Fico triste por estar saindo do futebol brasileiro e, ao mesmo tempo, fico feliz por não ter mais que encarar essa fera (risos)"

Questionado sobre a possibilidade de o time jogar com três zagueiros (o que aumentaria suas chances) o defensor do Atlético Mineiro foi direto. "Estou aqui para ajudar e agregar. Com três zagueiros ou não. É uma disputa saudável", referindo-se à briga por posições com Davi Luiz e Thiago Silva.

Réver falou ainda sobre a questão da falta de proximidade com o torcedor ? sentida principalmente no desembarque em Brasília e na chegada ao hotel na capital federal. ?Procuramos estar ao máximo junto ao torcedor, até porque dependemos muito do apoio deles. Às vezes, comentam que os momentos de distanciamento são uma vontade dos jogadores, mas isso não é verdade?

O zagueiro também falou sobre as orientações repassadas por Luiz Felipe Scolari. ?Ele disse para jogarmos de forma simples, fazendo o que sabemos fazer. Mas também pediu para que joguemos como se fosse o último jogo de nossas vidas?

Neymar fala sobre o peso da camisa 10 e diz que final contra a Espanha seria um ?sonho?

Neymar começou elogiando a equipe. ?É um excelente grupo. São pessoas que se dão muito bem fora de campo. Não há vaidade nenhuma. Todo mundo conversa com todo mundo, todos brincam, parece que somos amigos desde pequenos?, disse.

O astro falou também sobre o peso de jogar com a camisa 10. ?Esse número sempre foi muito bem representado na seleção, e é um sonho para qualquer um usar a 10. Comigo não é diferente. Admiro muito alguns jogadores que usaram a 10 na seleção, como Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho e Kaká?.

Sobre os rumores de que estaria sofrendo dores no joelho, Neymar desmentiu veementemente. ?Nenhum jogador joga 100%. Isso é normal no futebol. Mas isso que estão falando sobre mim não tem nada a ver. Estou bem para jogar, e estou à disposição do treinador?

O craque do Barcelona também falou sobre um dos pontos mais questionados em sua carreira ? as diferenças de desempenho alcançadas por ele no Santos, seu ex clube, e na seleção. ?Eu nunca mudei minha forma de jogar. São situações diferentes, cada jogador tem sua função. A preocupação, no momento, é encontrar um time na seleção. E estamos encontrando. O entrosamento está ficando cada vez melhor, e sei que isso vai melhorar. Quando eu encontrar uma equipe mais entrosada, as qualidades vão aparecer, podem ficar tranquilos?

O craque manifestou o desejo de jogar a final da Copa das Confederações contra a seleção espanhola. ?A Espanha é, sem dúvidas, uma das grandes favoritas ao título. Será um grande prazer, um sonho, caso essa final ocorra. E se ocorrer, faremos de tudo para vencer?.

Neymar aproveitou para fazer um breve comentário sobre dois dos nomes mais perigosos do adversário do Brasil no próximo sábado ? os meias japoneses Honda e Kagawa. ?São dois craques. Toda seleção tem que ficar esperta com eles?, resumiu.

Sobre os 842 minutos sem fazer gol - um dos maiores jejuns de sua carreira ? Neymar foi taxativo. ?Isso não significa nada (risos). Se os gols não vêm, paciência ? é seguir trabalhando?. O astro finalizou pedindo ?ousadia e alegria? à seleção. ?Temos certeza de que podemos ir muito longe?, completou o atacante.

Fonte: Dowglas Lima