Após derrota das Olimpíadas, Marta não sabe futuro na seleção

Ela disse que, no momento, tudo está "embaraçado".

Marta vive uma fase de reflexão em relação à seleção brasileira. Após mais uma Olimpíada, sua quarta, ela não sabe qual será seu futuro com a amarelinha. Diz que, no momento, tudo está "embaraçado". Emocionada depois da perda do bronze para o Canadá na derrota por 2 a 1 nesta sexta-feira, ela ressaltou os estádios cheios e, mesmo com o resultado, o reconhecimento dos fãs.



“Está muito cedo para pensar. Está tudo embaraçado na minha cabeça ainda. Queríamos muito esse bronze. Acho que o time não começou tão bem o jogo. A gente foi melhorar depois que tomou o gol. Infelizmente em uma bobeada tomamos o gol e ficou mais difícil ainda. É difícil, é complicado. Com o estádio lotado a gente não consegue nem se comunicar dentro de campo. É um absurdo que um jogo desses parado do jeito que foi a goleira pegava a bola e ficava um, dois minutos com a bola. Elas sofriam falta, a mesma coisa. E tivemos só três minutos de acréscimo. Isso é um absurdo. Mas não é a primeira vez. Temos que saber lidar com isso. É seguir no nosso pensamento de melhorar cada vez mais a mentalidade. A gente ganhou vários fãs, estádios cheios. Eu acho que isso é o maior prêmio para a gente. É lógico que a gente quer subir o pódio, mas o reconhecimento, ser aplaudido em todo lugar que a gente passa, é isso que a gente vai levar”, afirmou a camisa 10.

A jogadora terá alguns dias de descanso, mas logo se apresenta ao Rosengard, da Suécia, para a sequência do ano. O próximo compromisso com a seleção brasileira é diante da França, dia 19 de setembro, no país europeu. A capitã poderá comparecer por se tratar de uma data Fifa.


Marta (Crédito: Reprodução)
Marta (Crédito: Reprodução)


Formiga quer ajudar fora das quatro linhas


Formiga se despede da seleção em dezembro. Mas adiantou que deseja seguir trabalhando com a modalidade fora das quatro linhas. Com lágrimas nos olhos, ela lamentou a perda da medalha, pois seria um impulso a mais para o futebol feminino no país.


“Difícil porque a gente queria tanto coroar nosso trabalho por tudo que a gente vem fazendo, por tudo que a gente deixou de fazer para conquistar nosso espaço, para que as pessoas respeitem o futebol feminino. Isso só prova que se a gente tivesse um trabalho longo, se investirmos na nossa base teremos frutos. Todas as seleções tiveram renovação por alguns anos para se obter resultado. A gente luta muito. Dou parabéns para todas. Só agradecer o Brasil e pedir desculpas. Esse aí não era nosso desejo e todo mundo sabe disso. Todos que vão ficar vão continuar se empenhando. Eu, se puder ajudar de alguma maneira fora das quatro linhas, com certeza vou continuar dando minha contribuição.”

Fonte: Com informações do Globoesporte.com