"Nunca fiquei tão nervosa", diz Gisele Bündchen sobre abertura

Quem viu Gisele Bündchen cruzar o gramado ficou boquiaberto.

Quem viu Gisele Bündchen cruzar o gramado do Maracanã com aqueles passos firmes, durante a cerimônia de abertura da Olimpíada Rio 2016 na noite desta sexta-feira, 5, não imagina que a modelo estava com medo de levar um tombo.

"Foi um momento inesquecível e indescritível. Nunca fiquei tão nervosa na minha vida. Pensava: 'E se eu cair aqui nessa passarela de 125 metros? Quem vai vir aqui me levantar e me ajudar com essa cauda de sereia (risos)?' Estava muito emocionada, quase chorei. Falei: 'Gente, não posso chorar, foco neste momento, força na peruca'. Foquei e tentei ficar o mais tranquila possível. Estava nervosa, mas feliz e me sentindo grata por estar vivendo aquele momento único. É só escutar 'Garota de Ipanema' que você se emociona. Tom Jobim é o cara. Tudo foi um sonho. Graças a Deus que deu tudo certo", brincou a modelo neste sábado, 6, ao participar de um evento, onde também estiveram as atrizes Marina Ruy Barbosa e Camila Queiroz.

Gisele ainda disse que ouviu muitas críticas quanto à realização da Olimpíada no Brasil, e que queria reverter isso. "Estava sentindo muitas emoções, porque queria representar o meu país da melhor forma possível. Foram tantas expectativas e eu só queria fazer bonito. O Brasil é o meu país. Eu não estava feliz com aquela situação, queria virar isso. E a gente arrasou! Foi a abertura mais linda."

A fugidinha de Gisele do hotel na manhã antes do evento oficial da Rio 2016 teve um motivo especial: recarregar as energias. "Está cheio de paparazzi em frente ao meu hotel, aí pensei: 'Vou às seis da manhã!'. Precisava botar o pé no mar para me energizar. A natureza sempre me dá força. Me deu luz e coragem para caminhar aqueles 125 metros (no Maracanã). Foi a maior passarela da minha vida. Uma passarela de desfile normal tem cerca de 10 ou 15 metros no máximo", explicou.

Gisele, que jogou vôlei na infância, contou ainda que é fã do esporte e que vai acompanhar os jogos. "Sou fã número 1 da Fernanda Venturini e da Ana Moser. Elas arrasavam, eu queria ser elas naquela época. Jogo vôlei desde pequenininha, é meu esporte favorito. Também adoro ginástica olímpica, acho os ginastas super-herois. Como eles conseguem fazer aquilo?".

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title


Fonte: Com informações do EGO