Polícia garante que nadadores mentiram sobre assalto no Rio

Delegado afirmou que narrativa dos americanos foi "desconstruída"

Os nadadores americanos Ryan Lochte e James Feigen mentiram em depoimento à polícia na versão de que eles e os também atletas Gunnar Bentz e Jack Conger teriam sido roubados após deixarem uma festa na zona sul do Rio de Janeiro, no domingo (14), disseram representantes da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

O delegado responsável pelo caso afirmou que a narrativa dos americanos foi "desconstruída". Análise de imagens de uma câmera de segurança revela que os nadadores estavam alcoolizados e se envolveram em uma briga em um posto de gasolina. Para os investigadores, não houve assalto.

Nadadores mentiram sobre assalto no Rio  (Crédito: Divulgação )
Nadadores mentiram sobre assalto no Rio (Crédito: Divulgação )


"A história deles é praticamente desconstruída pela análise das imagens que obtivemos agora", declarou Alexandre Braga, titular da Deat (Delegacia Especial de Atendimento ao Turista), em entrevista ao telejornal "RJTV", da "TV Globo".

O chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, afirmou que a atitude dos atletas foi um "desatino" causado por ingestão de bebida alcoólica em excesso. Durante a briga, os nadadores teriam ainda depredado o posto de gasolina. Depois, insistiram para que o taxista que os transportava deixasse o local antes da chegada da Polícia Militar.

"Eles não queriam a presença da polícia", declarou Veloso.Na quarta, dois dos nadadores, Gunnar Bentz, 20 e Jack Conger, 21, que estavam no posto de gasolina, foram impedidos de retornar aos Estados Unidos. Eles devem prestar depoimento ainda nesta quinta. O nadador Ryan Lochte, que também protagonizou a confusão, já foi embora do Rio. Um quarto atleta ainda estaria no Brasil, mas a polícia não o localizou. Ele seria James Felgen.

Os nadadores, que mudaram a versão do incidente pelo menos quatro vezes, podem ser acusados por falsa comunicação de crime. A pena para esse tipo de infração varia de 1 a 6 meses de detenção ou multa.

Ryan Lochte deu diferentes versões para o suposto assalto (Crédito: O Globo )
Ryan Lochte deu diferentes versões para o suposto assalto (Crédito: O Globo )


O QUE REALMENTE TERIA ACONTECIDO

De acordo com a BBC Brasil, por volta das 6h da manhã de domingo, Ryan Lochte, James Felgen, Gunnar Bentz e Jack Conger pararam em posto de combustível na Barra da Tijuca após participarem de uma festa na Casa França, na Lagoa, zona Sul do Rio. O posto fica a 16 quilômetros da Vila dos Atletas.

Um deles teria quebrado a porta do banheiro do posto.De acordo com as fontes da BBC, houve bate-boca e o segurança do posto foi chamado para conter a confusão. Os funcionários do posto teriam exigido que o grupo pagasse pelos estragos.

Os seguranças ainda teriam obrigado os nadadores a saírem do táxi onde estavam.A Polícia Militar teria sido acionada por funcionários do posto. Antes de a PM chegar ao local do incidente, um cliente teria servido de intérprete para os atletas e ajudado a intermediar o pagamento dos danos causados.

.Segundo os relatos, quando os policiais chegaram ao local, a confusão estava desfeita, os nadadores já haviam indenizado o posto pela porta quebrada e voltado à Vila dos Atletas. A polícia confirmou ter sido chamada e o áudio dos funcionários do posto acionando a PM, que também registrou a ocorrência. O segurança do posto também já prestou depoimento.

Nadadores prestam depoimento no Rio (Crédito: O Globo )
Nadadores prestam depoimento no Rio (Crédito: O Globo )


Imagens mostram nadadores em posto  (Crédito: Reprodução )
Imagens mostram nadadores em posto (Crédito: Reprodução )


Fonte: Uol