Polícia indicia Ryan Lochte e Feigen por falsa comunicação de crime

Eles relataram ter sofrido um assalto que não ocorreu no Rio

Dois nadadores americanos foram indiciados nesta quinta-feira (18) por falsa comunicação de crime, informou a GloboNews.

Ryan Lochte e James Feigen relataram ter sofrido um assalto que não ocorreu, segundo a Polícia Civil. As investigações apontaram para uma confusão com funcionários de um posto de gasolina no Rio, mas não há indícios de roubo, como informou o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso.

Nadadores mentiram sobre assalto  (Crédito: Divulgação )
Nadadores mentiram sobre assalto (Crédito: Divulgação )


Prevista no artigo 340 do Código Penal, a "falsa comunicação de crime" significa "provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou de contravenção que sabe não se ter verificado". A pena é de detenção, de um a seis meses, ou multa.

O tumulto começou quando Lochte e Feigen e outros dois nadadores, Gunnar Bentz e Jack Conger, pararam no posto na Barra, Zona Oeste, na saída de uma festa na Lagoa, na Zona Sul, rumo à Vila Olímpica. Segundo depoimentos, eles teriam praticado vandalismo no banheiro, dando início à confusão com os funcionários. Imagens mostram que um deles faz xixi no chão do banheiro.

De acordo com a polícia, os nadadores não vão respodender por dano ao patrimônio porque, até esta quinta, o dono do posto não havia registrado queixa. Para o dano, segundo o artigo 163, a pena é de detenção de um a seis meses, ou multa.Bentz e Conger prestaram depoimento nesta quinta e deram versão diferente da relatada por Lochte e Feigen, que depuseram no domingo e falaram ter sido roubados. Os dois disseram que a história foi inventada por Lochte.

Segundo a GloboNews, eles não serão indiciados porque nunca se manifestaram sobre o suposto assalto.Bentz e Conger foram hostilizados ao deixar a Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat), no Leblon. A presença dos americanos atraiu curiosos e um dos atletas chegou a ter a orelha puxada quando se dirigia ao carro para deixar o local, enquanto outros vaiavam e gritavam por pedidos de desculpas e palavras como "mentirosos" e "vergonha".

Ryan Lochte (Crédito: Divulgação )
Ryan Lochte (Crédito: Divulgação )


Antes do fim dos depoimentos, a polícia concedeu entrevista coletiva sobre o caso. Segundo o chefe da Polícia Civil, o delegado Fernando Veloso, um dos nadadores, Bentz ou Conger – Veloso não sabia até então precisar qual dos dois –, confirmou a conclusão da polícia, de que não houve assalto, mas somente uma confusão no posto de gasolina.

"O carioca viu nome da cidade manchado por essa versão fantasiosa. Seria nobre e digno pedir desculpas. Por hora, não houve [o pedido]", declarou o delegado.Ryan Lochte seria o mais exaltado no posto de gasolina, segundo o depoimento de um dos nadadores. Veloso, no entanto, ressaltou que seria "prematuro" atribuir ao 12 vezes medalhista olímpico a invenção da mentira. Lochte é o único dos quatro que deixou o país, embarcando antes de ter o passaporte apreendido.

Gunnar Bentz e Jack Conger foram retirados de dentro do avião após um mandado judicial, na noite de quarta-feira. Para Veloso, não há necessidade de manter os dois detidos no Brasil, mas cabe à Justiça decidir quando os passaportes serão devolvidos.

James Feigen está no Brasil deve ser ouvido novamente nesta quinta-feira pela Polícia Civil.

Nadadores prestam depoimento (Crédito: Divulgação )
Nadadores prestam depoimento (Crédito: Divulgação )


MENTIRA PARA NAMORADA

Segundo Veloso, uma das linhas de investigação é de que os nadadores inventaram o assalto para tentar enganar a namorada de um deles. Testemunhas contaram que eles ficaram com meninas na festa onde estavam. Outras hipóteses, no entanto, não estão descartadas.

A polícia deu mais detalhes também sobre o momento da confusão do posto. A polícia confirmou que os seguranças do local sacaram a arma para conter os nadadores e que elas estão legalizadas.

"Se houve arma apontada para eles? Sim. Arma foi empregada para contê-los", disse o chefe da Polícia Civil. "Nada indica que houve excesso do segurança ao usar força", acrescentou. Veloso disse ainda que até o momento não há indícios de que o segurança tenha usado a arma para extorquir dinheiro dos nadadores.Ele confirmou que os seguranças do posto trabalham para forças de segurança, mas não quis especificar qual delas.

O delegado disse ainda que não há elementos até o momento que confirmem a teoria, levantada por um jornalista, de que, por não falarem português, os nadadores podem ter confundido a abordagem do segurança armado com uma tentativa de extorquí-los.

Segundo Veloso, uma das testemunhas ouvidas pela polícia falava inglês e teria tentado intermediar o contato entre os seguranças e funcionários do posto e os nadadores.

VÍDEO MOSTRA TUMULTO

Imagens obtidas pela TV Globo mostram os nadadores saindo do banheiro do posto. Segundo a polícia e funcionários do local, eles depredaram o banheiro. Por isso, teriam sido impedidos por seguranças de deixar o estabelecimento, que fica na Barra da Tijuca, no caminho entre a Lagoa, onde estavam em uma festa, e a Vila Olímpica. As imagens mostram um dos nadadores levantando as mãos enquanto os segurança os abordam. A Globo teve acesso com exclusividade aos depoimentos dos funcionários do posto, que contaram detalhes do que viram na manhã de domingo.

De acordo com Fernando Veloso, Chefe de Polícia Civil, os atletas devem desculpas aos cariocas. “A única verdade que eles contaram é que eles estavam bêbados”, disse Veloso.

IMPEDIDOS DE EMBARCAR

Na noite desta quarta-feira (17), os nadadores americanos Gunnar Bentz e Jack Conger foram impedidos de embarcar em um voo de volta aos EUA pela Polícia Federal (PF). Bentz e Conger foram retirados do avião. Pouco antes, a Justiça havia mandado apreender o passaporte dos dois, para que prestassem depoimento, como testemunhas.

A polícia vai enviar por ofício ao FBI uma relação de perguntas para que Ryan Lochte, 12 vezes medalhista olímpico, responda, dos EUA, por carta precatória.

As duas decisões de proibir a saída dos nadadores foram do Juizado Especial do Torcedor e Grandes Eventos, a pedido da Deat. A Polícia Federal notificou o Consulado dos EUA e o Comitê Olímpico americano para impedir a saída dos nadadores, mas não havia recebido resposta até a noite de quarta.

Em nota, o Comitê Olímpico Americano informou que o time de natação deixou a Vila logo após o fim das competições e que, por questões de segurança, não poderia confirmar a localização de cada atleta. Instigados a dar mais detalhes do assalto, Feigen e Lochte disseram que não se lembravam porque estavam muito bêbados após deixarem a festa. A polícia ainda procura o taxista que teria levado os nadadores da Lagoa à Vila Olímpica.

Em entrevista à rede de TV norte-americana NBC, já nos EUA, Ryan Lochte deu uma terceira versão para o suposto assalto, diferente da que havia contado em uma outra entrevista no domingo e do que relatou à polícia em depoimento.Lochte disse também que, ao depor na polícia no Rio, foi tratado com muita cordialidade, que os policiais fizeram poucas perguntas e não pediram que ele ficasse para as investigações. Na entrevista, o nadador reclamou que está sendo tratado como suspeito, quando é vítima.

Imagens mostram nadadores em posto  (Crédito: Reprodução )
Imagens mostram nadadores em posto (Crédito: Reprodução )


Fonte: G1