Substituto de Pessoa é eliminado por uso de esporas em competição

Brasil avançou à final sem nenhum erro e deve brigar por medalha

Disputando a Rio-2016 com a pressão de ser o substituto de Rodrigo Pessoa, o cavaleiro Stephan Barcha foi desclassificado da disputa do salto individual e por equipes nesta terça-feira (16) por abusar do uso da espora no cavalo Landpeter do Feroleto. Ele se despede dos Jogos, mas ainda assim o Brasil avançou à final sem nenhum erro e deve brigar por medalha nesta quarta.

Barcha usou muito as esporas durante sua apresentação no Centro Olímpico de Hipismo, e um exame obrigatório feito pela comissão de veterinária após a prova atestou ferimentos no cavalo. O exame é rigoroso e desclassifica qualquer conjunto em que o animal se machuque, ainda que a lesão seja mínima – a comissão não divulga se o ferimento foi leve ou grave.


A eliminação fez com que a nota de Stephan Barcha fosse descartada para a prova por equipes. Por regulamento, a pior nota entre os quatro representantes do país é descartada e, como Barcha já tinha obtido a menor pontuação, sua desclassificação não representou prejuízo para a equipe a curto prazo. Mas ele fará falta na final por equipes, na qual o Brasil terá apenas três conjuntos e atuará sem poder descartar nenhuma nota. Eduardo Menezes, Doda de Miranda e Pedro Veniss precisarão se apresentar com erros mínimos para brigar por pódio.

Mesmo antes da desclassificação o cavaleiro já falava com pouca empolgação sobre sua prova. “Tivemos um toque na segunda vara, uma coisa que pode acontecer. Depois outro na faixa do rio, que está acontecendo muito. São coisas que acontecem”, falou o cavaleiro em tom de lamento.

Barcha é substituto de Rodrigo Pessoa, que foi colocado na reserva pelo técnico norte-americano George Morris. Frente à perda da titularidade, campeão olímpico em Atenas-2004 abriu mão de representar a seleção brasileira nos Jogos do Rio de Janeiro.

 "O corte foi mínimo, mas eles entendem que qualquer tipo de sangramento nesta região impede o cavalo de continuar", explica Rogério Saito, veterinário da equipe brasileira que disputa o hipismo na Rio-2016. "Ele (Barcha) não fez nada contra o cavalo, ele montou a prova e algum momento ele teve que fazer um esforço maior", argumenta.

Sem contar com a nota de Barcha, a equipe brasileira não cometeu um erro sequer na primeira volta do salto por equipes. Os três cavaleiros completaram o percurso montado em Deodoro de forma irretocável e avançaram à volta 2 empatados com Estados Unidos, Holanda e Alemanha. A disputa pelo pódio será a partir das 10 horas (de Brasília) desta quarta-feira (17).

Pedro Veniss acredita que as chances de pódio do Brasil são grandes. “A nossa ideia é repetir o desempenho, fazer como hoje. Se conseguirmos fazer como hoje, é boa a chance de medalha”, avalia o cavaleiro, afirmando que a desclassificação de Barcha não influencia a estratégia da equipe brasileira “A mentalidade dos quatro era fazer zero pontos, então queremos manter essa mentalidade porque com três zeros nós traremos essa medalha”, entende Veniss.


Fonte: Uol