Orgulhoso, Elano exalta status: "Sempre fui um bom coadjuvante"

Meia enaltece parceiros desde 2002, se diz privilegiado no Santos e cobra técnico Mano Menezes por chance a Arouca na Seleção Brasileira

Se Elano fosse ator, disputaria todo ano o Oscar de melhor coadjuvante. Com muito orgulho e sem ambição de se tornar protagonista. Entre os motivos da alegria do jogador, em alta novamente no Santos, está o fato de ter voltado a ser importante numa equipe em que está longe de ser a principal estrela.

Tem sido assim durante sua carreira. Em 2002, foi fundamental para que Diego e Robinho brilhassem e levassem o Santos ao título brasileiro. Na Seleção Brasileira, roubou a cena mesmo ao lado de estrelas como Kaká, Luis Fabiano e Ronaldinho. Agora, não se importa em correr muito para permitir que Ganso e Neymar recebam os maiores aplausos.

- Apesar de uma carreira sólida e brilhante, sempre me senti um coadjuvante, e estou feliz por me sentir assim novamente. Um bom coadjuvante é importantíssimo para o craque, que hoje considero ser o Neymar. Assim conquistei todos os títulos e me sinto preparado para ganhar o Paulista ? explicou.


Orgulhoso, Elano exalta status:

Amigo de todos os principais atletas, Elano não se sente à vontade para comparar o time atual ao de dez anos atrás. O meia ressalta sua parceria com Robinho, com quem até hoje mantém contato frequente, e também é muito próximo de Neymar, a quem chama de Magrelo. Os dois atacantes, aliás, também inventaram um apelido curioso para Elano.

- Carpete, por causa do meu cabelo (risos).

O camisa 8 chama de ?fantásticos? os amigos e, em campo, assume o papel de mais velho. Aos 30 anos, se impressiona com a facilidade que Neymar tem para identificar seus erros e consertar na próxima jogada, e cobra Ganso o tempo inteiro para que o companheiro esteja sempre próximo do gol. A explicação é simples: ele é muito craque para recuar.

Mas não é apenas o quarteto que merece elogios rasgados. Para Elano, o time campeão brasileiro de 2002 não seria tão eficiente sem a presença do volante Renato, hoje no Botafogo. Assim como o atual deve muito a Arouca. Direto de seu refúgio, em Limeira, interior paulista, o meia mandou um recado bem claro ao técnico Mano Menezes.

- Já passou da hora do Arouca ter uma chance na Seleção Brasileira. Milhares de jogadores já tiveram uma oportunidade e ele merece a dele. Se vai ficar ou não, só a sequência vai dizer, mas é lindo acompanhar o crescimento que ele teve desde que veio do São Paulo.

Para Elano, ser coadjuvante não é razão de vergonha. Ao contrário. Sorte dele e do lateral-esquerdo Léo, outro que teve oportunidade de atuar ao lado das duas gerações.

- Somos privilegiados, é uma honra. Só pude ganhar tanta coisa porque trabalhei com gente boa.

Fonte: GloboEsporte.com