Palmeiras só empata com o Nacional

Agora, para ficar com a vaga, o Palmeiras precisa vencer o Nacional por qualquer placar

Empurrado por mais de 20 mil torcedores, o Palmeiras vacilou e apenas empatou por 1 a 1 com o Nacional na noite desta quinta-feira, pelas quartas de final da Taça Libertadores, no Palestra Itália. O time brasileiro vencia o confronto até os 35 minutos do segundo tempo com um gol de Diego Souza, mas, numa bobeira da zaga, os uruguaios chegaram ao empate com Santiago Garcia. E levar um gol era exatamente o que Vanderlei Luxemburgo não queria que acontecesse na sua casa. O treinador, aliás, foi chamado de burro pelos torcedores. Enquanto isso, os visitantes comemoravam o resultado com a pequena torcida uruguaia.



Agora, para ficar com a vaga, o Palmeiras precisa vencer o Nacional por qualquer placar. Empate sem gols garante o time uruguaio na semifinal. Um novo 1 a 1 leva a decisão para as penalidades. Caso ocorra uma igualdade por mais de um gol, o time brasileiro também segue na competição ? nesta etapa do torneio, o gol fora de casa tem um peso maior. O vencedor enfrenta Estudiantes ou Defensor na próxima fase. Também nesta quinta, os argentinos venceram o primeiro jogo por 1 a 0, em Montevidéu.

O jogo de volta será no próximo dia 17, no estádio Centenário, no Uruguai. Antes disso, a equipe brasileira enfrenta o Barueri, na casa do adversário, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, neste sábado.

Obina deixa o banco, e Palmeiras muda a postura

O Palmeiras começou a partida em cima do Nacional. Com Keirrison e Diego Souza na frente, a equipe pressionou. Na primeira oportunidade, foi Souza quem deu o primeiro chute, aos oito minutos. E ficou nisso. Conforme o ponteiro do relógio avançava, os uruguaios começavam a ganhar espaço e demonstravam ficar à vontade na área palmeirense.

É verdade que o Nacional abusou da cera. Nas cobranças de faltas, por exemplo, os atletas eram sempre advertidos verbalmente pelo árbitro Carlos Torres. Com a bola nos pés, chegaram a assustar Marcos. Aos 13, Coates, de cabeça, obrigou o goleiro a fazer boa defesa. Romero também tentou contra a meta brasileira, e novamente São Marcos apareceu para espalmar.

Mas o Palmeiras passou a ser outro a partir dos 28 minutos, quando Marquinhos e Obina substituíram Fabinho Capixaba e Souza, respectivamente. Vanderlei Luxemburgo, que havia pedido paciência com o lateral-direito, não a teve. E com o novo atacante em campo, o Alviverde conseguiu segurar mais o oponente em seu campo.

Obina não foi só um homem de área. O camisa 24 procurou o jogo, deu carrinhos e foi aplaudido pelos torcedores. Aliás, ele já mexeu com a torcida desde o momento em que começou a aquecer para entrar em campo.

Fonte: GloboEspote, www.globoesporte.com