Palmeiras vence e segue na disputa

As esperanças palmeirenses no sonho de conquistar o título do Campeonato Brasileiro foram reativadas

As esperanças palmeirenses no sonho de conquistar o título do Campeonato Brasileiro foram reativadas na tarde deste domingo. No último encontro com a sua torcida no Palestra Itália na temporada, o Alviverde venceu o Atlético-MG por 3 a 1 e derrubou um concorrente na briga por uma vaga na Taça Libertadores de 2010. De quebra, ainda conseguiu empurrar a decisão pela taça de campeão para a última rodada do Nacional.

Os gols marcados por Cleiton Xavier, Diego Souza e Vagner Love - Diego Tardelli descontou -, aliados a combinação de resultados da rodada, colocaram o Alviverde na terceira posição, com 62 pontos, atrás de Flamengo e Internacional.



Enquanto o Palmeiras fará o jogo da sua vida no ano contra o Botafogo, próximo domingo, no Rio de Janeiro, o Atlético-MG se despedirá da sua torcida na rodada derradeira contra o Corinthians, em Belo Horizonte.

O mosaico feito pela torcida palmeirense, formando a palavra ?vergonha?, parece ter mexido com o brio dos jogadores do palestrinos. Tanto que logo no primeiro giro do ponteiro com a bola rolando, o Alviverde já abria o placar. Cleiton Xavier, que voltou a jogar depois de pouco mais de um mês parado por conta de uma lesão, recebeu bom cruzamento de Deyvid Sacconi e não deixou a oportunidade passar: 1 a 0.

Apesar do gol logo cedo, o Atlético-Mg não se intimidou e assustou o Alviverde aos 4 minutos, quando Carlos Alberto quase marcou, aos 4 minutos, depois de passe de Tardelli. Mas o empate veio aos 12 minutos, com o artilheiro atleticano. Aproveitando lançamento preciso de Éder Luis, Tardelli venceu com certa facilidade o goleiro Marcos para fazer 1 a 1. O gol pareceu um balde de água fria nos ânimos dos palmeirenses, que passaram a ficar apreensivos.

A tensão, porém, durou quatro minutos. Primeiro, Diego Souza tentou lançar Vagner Love, que perdeu a dividida para o goleiro Carini. Mas o arqueiro atleticano não contava que seu desvio fosse cair novamente nos pés de Diego. Preciso, seco e frio. Assim foi o chute do camisa 7 alviverde, do meio-campo, que deixou aos defensores mineiros somente a torcida para que a bola não entrasse. Pois ela entrou e o Palmeiras abriu 2 a 1.

- Foi um gol bonito ? limitou-se a dizer Diego Souza, na saída para o intervalo.

Mesmo com o placar desfavorável, o Atlético-MG não se acanhou. Sempre com Tardelli e Éder Luis, os mineiros buscaram a todo custo o empate. Aos 20, o camisa 9 alvinegro quase conseguiu, quando chutou no cantinho direito da meta palmeirense. Mas a bola foi defendida por Marcos.

Mas a torcida palmeirense, que já havia comemorado os dois gols do Goiás sobre o São Paulo, ainda teve tempo para celebrar mais um tento palmeirense. Contestado pelos torcedores nos últimos dias pela fama de baladeiro, Vagner Love encerrou um jejum de cinco jogos sem gols. Recebeu de Sacconi e foi preciso na conclusão, nos 3 a 1. Beijou escudo, fez coração com as mãos e foi abraçado pelos companheiros. Pelo menos no primeiro tempo, fez as pazes com os fanáticos. Nada como gols para esfriar os ânimos. Mas a vitória ainda era parcial.

Palmeiras cozinha o Galo

Na segunda etapa, o jogo voltou mais morno para as duas equipes. Enquanto o Palmeiras tentava administrar o placar em vantagem, o Atlético-MG buscava diminuir a diferença, sempre com Tardelli. Mas foi o Alviverde quem arriscou primeiro, com Vagner Love, aos 11 minutos. Ele recebeu lançamento de longa distância, aproveitou a bobeira de Thiago Feltri e cruzou rasteiro para a área. Nenhum palmeirense se apresentou para arriscar o chute.

Tentando controlar mais o meio-campo, Celso Roth optou pela entrada de Ricardinho e Corrêa nas vagas de Márcio Araújo e Éder Luis. Mas o Atlético-MG seguira deficitário na posse de bola pelo setor e os sustos palmeirenses só apareciam quando Tardelli voltava para buscar jogo.

E o jogo seguia com domínio maior do alviverdes, que controlou o ímpeto do Galo. Em dados momentos, a torcida palmeirense ficava quieta, só assistindo o jogo. Reclamava vez ou outra da marcação de uma falta ou quando Muricy chamou o zagueiro Marcão para o jogo, que entrou na vaga de Maurício Ramos, atleta que voltava de uma lesão depois de dois meses. Ou ainda quando o Goiás ampliava a conta sobre o São Paulo, arquirrival na briga pelo título brasileiro.

Com 3 a 1, a despedida palmeirense do seu estádio estava encerrada e de bem com a torcida. O Atlético-MG, por sua vez, encerrou seu sonho de disputar a taça Libertadores de 2010. E o torcedor alviverde festejou o seu resultado e a desgraça alheia com o São Paulo.

Ainda houve tempo para Carlos Alberto ser expulso depois de entrada forte em Wendel, já aos 46 minutos. A conta atleticana estava encerrada no ano, enquanto os palmeirenses terminavam a rodada revigorados.

Fonte: Terra, www.terra.com.br