Para sair, staff de Neymar exige salário de astros do Real e Barça

Houve reuniões de representantes tanto do clube barcelonista quanto do madrilenho com representantes do jogador



O staff de Neymar já recebeu propostas salariais de Barcelona e Real Madrid para sua transferência. A Folha apurou que seu agente e seu pai querem que os clubes lhes proporcionem vencimentos apenas um pouco abaixo dos grandes astros do futebol espanhol, como Cristiano Ronaldo, Kaká e Messi.

Isso significa que as ofertas iniciais, que giravam em torno de 5 milhões de euros por ano, têm que ser aumentadas pelos times espanhóis para seduzir o brasileiro. Cristiano Ronaldo ganha 12 milhões de euros (cerca de R$ 27 milhões), Messi, 10 milhões de euros (aproximadamente R$ 22 milhões) e Kaká, 9 milhões de euros (R$ 20 milhões). Até porque o Santos também tentará aumentar o salário de sua estrela.

Houve reuniões de representantes tanto do clube barcelonista quanto do madrilenho com representantes do jogador. O Real encontrou com o agente de Neymar, Wagner Ribeiro, e o pai dele se reuniu com o presidente do Barcelona, Sandro Rossel, na Argentina.

Questionado, o empresário Ribeiro afirmou que não falaria sobre salário de jogador. "Mas claro que não vejo motivo para ele ganhar muito menos do que o Cristiano Ronaldo e o Kaká", afirmou.

A discussão salarial se torna importante porque os dois times espanhóis já aceitaram pagar a multa rescisória de 45 milhões de euros (R$ 102 milhões) devida ao Santos. Só não é certo se concordam pagar à vista.

Segundo Ribeiro, Neymar só tomará a decisão sobre seu futuro após a Copa América. E a definição levará em conta o desejo do jogador, manifestado hoje na Argentina, de disputar o Mundial pelo Santos. Ou seja, o clube que quiser levá-lo terá de aceitar demorar a recebê-lo.

"Lógico que ele [Neymar] está acompanhando pela mídia e por nós o que está acontecendo. Mas vamos deixar ele sossegado se não depois vão dizer que ele perdeu a Copa América porque está com a cabeça na Europa", afirmou Wagner Ribeiro à Folha.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br