Policial diz que jogador Valdivia reconheceu sequestrador

Policial diz que jogador Valdivia reconheceu sequestrador

Criminoso era foragido da polícia e foi preso na segunda durante roubo

O sargento da Polícia Militar Ronaldo José da Silva disse nesta quarta-feira (13) que o jogador Valdivia reconheceu, por meio de foto, o homem suspeito de ter cometido o sequestro-relâmpago. O policial foi um dos PMs que participaram da prisão do criminoso. O sargento esteve no começo desta tarde no 23º Distrito Policial, em Perdizes, Zona Oeste de São Paulo, onde o meio-campista chileno fez o reconhecimento. No início da tarde desta quarta, Valdivia saiu da delegacia sem falar com a imprensa.

O suspeito foi preso na segunda-feira (11), por volta das 21h20, após roubar um carro do proprietário de uma escola no Jardim Eliza Maria, bairro da Zona Norte da cidade. ?Na verdade, a intenção dele não era roubar o veículo, mas o dinheiro das mensalidades pagas pelos alunos?, disse o policial. No momento da prisão, ele disse que não tinha antecedentes criminais. Os PMs, porém, verificaram e constataram que ele tem passagens por roubo, extorsão mediante sequestro, atentado violento ao pudor, furto e resistência. De acordo com a PM, ele também era foragido do sistema penitenciário.

Também na noite de segunda (11), o futebolista do Palmeiras prestou depoimento durante duas horas na mesma delegacia e relatou que ele e sua mulher, Daniela Aranguiz, foram abordados na noite de quinta (7) por um homem armado quando passavam de carro pela Avenida Sumaré, na Zona Oeste da capital.

À polícia, Valdivia contou que, inicialmente, não foi reconhecido pelo assaltante. "Mas ele [criminoso] começou a fazer uma série de perguntas e o Valdivia tentou despistá-lo, dizendo que era estudante. O criminoso falou do carro importado e acabou reconhecendo o Valdivia. Daí ele passou a pedir R$ 20 mil", disse o delegado titular do 23º DP, Marco Aurélio Batista.

O assaltante chegou a sacar R$ 1 mil em um caixa eletrônico. Antes de se dirigirem a uma loja de autopeças, passaram em uma lanchonete na Pompeia. Depois, foi com os reféns a uma loja de autopeças e o criminoso tentou comprar um amplificador de som, mas não conseguiu por causa do limite do cartão de crédito. O circuito interno do estabelecimento registrou na qual é possível idenitifcar a ação do sequestrador, segundo Batista. Segundo o policial, elas são bem nítidas. "Vai facilitar a identificação, com certeza. Mas não vou divulgá-las agora para não atrapalhar as investigações."

Após o crime, Valdivia e a mulher viajaram para o Chile, onde concederam entrevista a um canal de tevê. Daniela contou que o criminoso tentou tocá-la. Batista disse que Valdivia manteve essa versão, o que se configuraria em mais um crime, o de tentativa de estupro.

Ao serem questionados pelo entrevistador sobre os comentários de que o sequestro tinha sido uma farsa, a mulher do jogador afirmou que câmeras dos prédios podem ter filmado por onde o carro deles passou durante o sequestro.Valdívia e a mulher foram libertados também na Zona Oeste e calculam que o sequestro-relâmpago tenha durado de duas a três horas.

Casos semelhantes

Vários sequestros envolvendo jogadores de futebol já foram manchete nos noticiários, principalmente entre 2004 e 2006. Na ocasião, nomes como Grafite, Rogério, Marinho, Michael, Kleber, Ricardo Oliveira, Robinho e Luis Fabiano tiveram familiares sequestrados no estado de São Paulo. Em todos os casos, as vítimas foram liberadas.

Em 1994, o ex-jogador e atualmente deputado federal Romário viveu um drama semelhante. O pai do craque, Edevair de Souza Faria, ficou 11 dias em cativeiro no Rio de Janeiro, mas acabou libertado pela polícia antes da disputa da Copa do Mundo, nos Estados Unidos.

Fonte: G1