Rogério Ceni marca de falta e garante vitória do São Paulo sobre Guarani: 2 x 1

Rogério Ceni marca de falta e garante vitória do São Paulo sobre Guarani: 2 x 1

Goleiro reforça os reservas do Tricolor, deixa o seu e mantém escrita de nunca ter perdido para o Bugre em mais de 20 anos de carreira

Reservas sim, mas com um reforço de peso. O time B do São Paulo contou com o goleiro Rogério Ceni para superar o Guarani por 2 a 1, neste sábado, no Brinco de Ouro da Princesa, em Guarani, pela sétima rodada do Paulistão. O goleiro pediu para jogar - e defender sua invencibilidade sobre o time de Campinas. E coube justamente ao capitão ser o algoz do Bugre. Com um belo gol de falta, ele garantiu a vitória tricolor.

Uma semana fora dos gramados não é o suficiente para frear Rogério Ceni. Recuperado de uma bursite no ombro esquerdo (que o tirou dos confrontos contra Santos e Ponte Preta), ele preferiu não se juntar aos outros titulares, que foram poupados para o jogo contra o Atlético-MG, pela Taça Libertadores, quarta-feira que vem, em Belo Horizonte. Bom para o São Paulo. Além das boas defesas, Ceni fez o gol que deu fim à série tricolor de três jogos sem vitória e recuperou confiança ao time antes da competição continental.

O São Paulo agora entra na reta final de preparação para a fase de grupos da Libertadores. Os titulares retornam ao time para enfrentar o Galo, na quarta-feira, às 22h (de Brasília), no estádio Independência.

O Bugre, por outro lado, tem uma semana para juntar os cacos depois da quinta derrota em sete jogos neste ano. O time tentará encontrar o rumo no próximo sábado, às 17h, quando encara o XV de Piracicaba, fora de casa.

Altos e baixos

A cada vez que os reservas do São Paulo entram em campo, a falta de entrosamento peso nos minutos iniciais. Contra o Guarani não foi diferente. O time de Campinas se aproveitou do desentendimento geral dos tricolores para pressionar no começo da partida, investindo nas jogadas pela ponta esquerda, com o lateral Diogo.

Assim, surgia a primeira chance do Bugre que acabou em sangue. Thiago Gentil tentou completar uma cobrança de falta da esquerda, chocou-se com Toloi e machucou o nariz. Curiosamente, o zagueiro tricolor também foi vítima de uma pancada no nariz minutos depois. Ambos tiveram de jogar com curativos para conter o sangramento.

Incidentes à parte, o Bugre pouco deu trabalho ao goleiro Rogério Ceni, de volta ao Tricolor depois de dois jogos de ausência. Aos poucos, o Tricolor deixou de ficar estático e começou a faze valer sua qualidade técnica. Ganso ainda batia cabeça para encontrar Aloísio no ataque. A solução veio dos pés de Maicon. Aos 22 minutos, o meia arriscou de longe e obrigou Juliano a fazer grande defesa. A bola sobrou para o centroavante tricolor, cara a cara com o goleiro bugrino. No entanto, Aloísio tentou colocar a bola no contrapé do arqueiro, errou a meta no cabeceio e perdeu um gol incrível.

O lance acordou o São Paulo, que quase chegou ao gol em uma cabeçada de Ganso após cobrança de escanteio. Foi o ensaio para o que estava por vir aos 32 minutos. Carleto cobrou outro escanteio e dessa vez Aloísio se redimiu. O centroavante subiu na pequena área para completar de cabeça e marcar seu primeiro gol pelo time do Morumbi.

O Guarani, porém, não se deu por vencido e ganhou novo ânimo aos 36 minutos, quando Cañete puxou Ronaldo Mendes e foi expulso por tomar o segundo amarelo - ele já havia feito o mesmo com Ademir Sopa. O Bugre voltou a pressionar e acertou a trave em um chute da intermediária de Ademir Sopa. No entanto, foi do São Paulo a melhor chance. Aos 41 minutos, Aloísio roubou a bola de Max e arrancou sozinho para o duelo com Juliano, mas chutou em cima do goleiro, perdendo sua segunda chance incrível.

Ceni, o algoz

O Guarani voltou com todo gás e precisou apenas de 27 segundos para empatar o confronto. E foi justamente em sua maior aposta. Diogo cruzou pela esquerda, e Thiago Gentil aproveitou o cochilo da zaga tricolor para colocar a bola no canto direito de Rogério Ceni. Valeu a pena o meia continuar em campo mesmo com o nariz sangrando.

No entanto, o alívio bugrino durou pouco. Thiago Matias colocou a mão na meia-lua. Uma posição ideal para a cobrança de Rogério Ceni. Logo ele que nunca foi vencido pelo Guarani, que pediu para reforçar os reservas. Logo o goleiro não deu chances para o adversário quebrar o tabu. Aos 4 minutos, o capitão tricolor colocou no canto esquerdo de Juliano e ainda contou com o corta-luz de Ganso para fazer o gol - seu segundo no ano, seu terceiro no time de Campinas.

O golpe abateu o Guarani, que se perdeu em campo depois que Tiago Pagnussat foi expulso por segurar Aloísio - o zagueiro já havia tomado um amarelo. Os ânimos dos bugrinos se exaltaram e sobrou para o algoz Rogério Ceni. Thiago Matias bateu boca com o goleiro e ambos levaram o amarelo, assim como Ademir Sopa.

O Guarani até cresceu nos minutos finais, mas não conseguiu passar por Rogério Ceni novamente. O goleiro parou todas as boas chances do adversário. Se o capitão tricolor queria ritmo de jogo para pegar o Galo, os mineiros que se cuidem.

Fonte: Globo Esporte