Romário afirma que feriado em dia de jogos da Copa é "maquiagem"

Romário afirma que feriado em dia de jogos da Copa é "maquiagem"

De acordo com ele, será uma forma de o governo "maquiar" os possíveis problemas estruturais.

O deputado Romário (PSB-RJ) classificou como péssima a possibilidade de que os dias de jogos o Mundial de 2014 sejam transformados em feriado. De acordo com ele, será uma forma de o governo "maquiar" os possíveis problemas estruturais que ainda existirão no país até lá.

"O feriado é péssimo. Pode ser um motivo para as obras que não estejam terminadas 100%. Os feriados vão maquiar um pouco os problemas", disse em referência ao projeto da Lei da Copa, enviado ontem ao Congresso e que permite que Estados, Distrito Federal, municípios e a própria União decretem feriado local nos dias de jogos.

Segundo o deputado, o feriado pode reduzir o número de carros nas ruas, por exemplo, o que daria a falsa impressão de que o trânsito e as vias estariam boas assim como esconderia o problema da falta de estacionamentos.

Na opinião do deputado, o brasileiro já tende a trabalhar apenas meio período em dias de jogo, por isso não precisaria haver um decreto nesse sentido.

Ainda sobre o texto enviado pelo governo, Romário cobrou que sejam determinadas obrigações para a Fifa com relação ao preço dos ingressos. Ele diz que vai apresentar uma emenda ao projeto propondo que os valores sejam acessíveis também para as classes D e E. A Lei da Copa diz que cabe à entidade determinar os preços das entradas.

"Temos que baratear os ingressos. Estão falando em algo em torno de R$ 100, R$ 120, o que mostra o que eu tenho falado sempre: que a Copa vai ser do Brasil e não dos brasileiros", disse.

Outro ponto da proposta do governo criticado por Romário foi a ausência de detalhes sobre o acesso para as pessoas com deficiência. Ele diz que também deve apresentar uma emenda para garantir mobilidade nos estádio.

Apesar das críticas, o deputado classificou a Lei da Copa como "positiva".

Nesta terça-feira, Romário também voltou a criticar os investimentos que estão sendo feitos nos estádios brasileiros para o evento. Citou as inúmeras reformas no Maracanã e os gastos em Brasília, que, diz, não tem nenhuma tradição no futebol.

"E a tendência [em todos esses estádio] é de ter mais gastos. Enquanto faltam tantas coisas nos hospitais e escolas públicas. São gastos desnecessários. Eu, como político, cobro e como brasileiro lamento", afirmou Romário.

Fonte: Folha.com