CBF: Sanchez diz que oposição já tem apoio para lançar nome à presidência

Eleição para apontar sucessor de Marin será em abril e candidato precisa ter apoio prévio para se lançar no pleito

A CBF vai promover eleição para apontar seu novo presidente em abril. Para que um candidato lance uma chapa de oposição a José Maria Marin, é preciso ter o apoio de no mínimo oito dos 27 presidentes das federações estaduais e de pelo menos cinco dos 20 presidentes dos clubes da Série A. Marco Polo Del Nero, candidato de Marin, já conta com esse apoio.

Andrés Sanchez, líder do movimento de oposição à atual gestão, diz que também já tem esse mínimo de votos garantidos, mas reclama da dificuldade imposta pela CBF, na tentativa de impedir a perda do poder na entidade.


Sanchez diz que oposição já tem apoio para lançar candidato à presidência da CBF

"Precisa ter a assinatura pública de oito federações e cinco clubes. Isso é o que diz o estatuto hipócrita e ridículo da CBF. Qualquer cidadão brasileiro deveria poder ser candidato. Eles fazem de tal maneira para dificultar tudo", disse Sanchez em entrevista à rádio Bandeirantes.

Nas eleições de abril serão 47 eleitores: os 27 presidentes de federações e os 20 presidentes de clubes da primeira divisão. Vence a eleição quem tiver 24 votos.

"Está melhor do que a gente imaginava, está todo mundo da oposição viajando, ninguém fala "não" e ninguém fala "sim". Isso só se decidirá no dia da urna, eleição é eleição. Confiar dá, mas quebrar o sistema é complicado, existe o medo de retaliação. O modus operandi (da CBF) hoje em dia é difícil", disse Sanchez.

Para o ex-presidente do Corinthians, as eleições de abril na CBF podem ser a última chance de mudar os rumos na entidade. Marin substituiu Ricardo Teixeira em março de 2012 depois de uma sequência de mandatos de 23 anos anos do cartola.

"Não apenas federações e clubes, o torcedor como um todo anseia por mudança. O futebol brasileiro ficou mais rico, mas os clubes continuam com problemas financeiros. Tem de ter uma mudança de filosofia, temos de ver o que queremos para o nosso futebol depois da Copa. É uma oportunidade única, se passar essa chance dificilmente teremos uma reviravolta depois", comentou.

Andrés não confirma que ele será o candidato da oposição, mas projetou que no final de janeiro o anúncio de quem vai enfrentar Del Nero será feito. "Estamos no processo eleitoral, que cresce a cada dia. Até o final de janeiro será escolhido", disse Sanchez.

Fonte: IG