Santos completa um mês de jejum com pior série na era Neymar

Quando está tudo bem, é fácil. Agora é a hora dos grandes caras, técnicos e jogadores", explicou o técnico santista.

O Santos admite viver uma espécie de "ressaca" após a recente eliminação da Copa Libertadores para o rival Corinthians, na última quarta-feira, e amarga a pior série negativa - sete jogos sem vencer, ao todo - desde o início da "era Neymar, em março de 2009. A construção da recente sequência sem vitórias se iniciou com deslizes no Campeonato Brasileiro e é caracterizada por visível queda de produção.

"É um tipo de ressaca mesmo", admitiu Muricy Ramalho, para depois ponderar. "Apesar que a posição que chegamos não é fácil. Ficamos entre os quatro (na Libertadores) e, por detalhes, fora da final. Hoje poderia ser diferente. Vão sair alguns jogadores, o Santos não tem condições de comprar ou fazer loucuras. Então, com a cabeça no lugar, vamos brigar pelo título Brasileiro", completou.

A última vitória foi diante do Vélez Sarsfield, em 24 de maio, onde as atuações passaram a ser contestadas. A classificação às semifinais só veio nos pênaltis, com gol já no fim de Alan Kardec no jogo decisivo, na Vila Belmiro.

Desde então, sete jogos, sendo dois contra o Corinthians, e nenhuma vitória. A sequência foi iniciada com dois empates na Vila, pelo Brasileiro, ante Sport e Fluminense. Neymar participou de somente três das sete partidas, já que Muricy optou por utilizar boa parte dos reservas nos confrontos pelo Brasileiro.


Santos completa um mês de jejun com pior série na era Neymar

"O cuidado é ter tranquilidade porque no futebol não podemos nos empolgar quando ganhamos e nem ficarmos aborrecidos quando perdemos. Quando está tudo bem, é fácil. Agora é a hora dos grandes caras, técnicos e jogadores", explicou o técnico santista.

No último ano, já em grande parte do ano sob comando de Muricy, o Santos só viveu um jejum de vitórias no fim da temporada, com o foco já voltado para a disputa do Mundial de Clubes. Foram quatro jogos sem vencer. Em 2010, fato parecido ocorreu, quando o time, sem objetivos após as conquitas do Paulista e da Copa do Brasil, ficou seis partidas sem vitórias. Na ocasião, o clube alvinegro havia acertado com Adílson Batista e era comandado por Marcelo Martelotte, técnico interino.

Em 2009, com dificuldades para se acertar, viveu pequena ameaça de rebaixamento, condição que se repete momentaneamente, o Santos ocupa a 18ª colocação. O alento para o restante da temporada é que após três eliminações na competição sul-americana, em 2003, 2004 e 2007, o time conseguiu se classificar posteriormente para Libertadores do ano seguinte.

Para mudar o cenário, Muricy ainda precisará acertar atuações pouco convincentes de Elano, Borges e outros jogadores do elenco.

Fonte: Terra