"Se não fosse jogador, seria assassino", diz Felipe Melo

Jogador explicou que morava em uma região perigosa do Rio

Nascido no estado do Rio de Janeiro, o volante Felipe Melo polemizou com uma declaração dele na Itália. O jogador da Inter de Milão revelou que se não tivesse se tornado jogador de futebol, poderia ter ido para o lado do crime.

"Se não fosse jogador de futebol, teria sido um assassino. Vivia em uma das favelas mais perigosas e ali tinham muitas drogas e armas. Deixei aquela vida para seguir meu sonho. Às vezes, ia ao treino e na volta, algum amigo meu tinha morrido. Tinha de dizer sim ao futebol ou a uma vida má. E eu disse sim ao futebol e uma vida diferente", falou em entrevista à Sky Sports.

Em nota oficial, Felipe Melo explicou a sua declaração para o veículo italiano. "Sei que algumas pessoas devem ter ficado chocadas com minha declaração de que se não fosse jogador, seria um assassino, mas eu explico. "Concedi a entrevista a um veículo de imprensa italiano, falando em italiano e, na hora, me fugiu a palavra no idioma. Quis dizer, na verdade, que se não fosse jogador, poderia acabar me enveredando no mundo do crime, pois as boas chances em uma comunidade de São Gonçalo, onde eu morava quando jogava no Flamengo, não são muitas, mas eu nunca teria coragem de matar alguém. Assassino, certamente não seria", disse.

Na mesma entrevista, o volante falou sobre a dificuldade que era conseguir ir até o centro de treinamento do Flamengo.

"Quando acertei com o Flamengo foi difícil, porque a princípio tinha de pegar um ônibus que levava duas horas até o campo de treinamento. Além disso, tinha de pagar o transporte. Meu pai, que fazia duas jornadas de trabalho, deixou seu emprego e começou a levar aos treinos. Às vezes, dava um pouco do meu café. Quando tinha dez anos, era só um garoto que queria jogar com meus amigos e perguntava porque tudo era tão difícil. Agora dou muita importância para esses sacrifícios porque me permitiram chegar até aqui", afirmou.

Felipe Melo (Crédito: AFP)
Felipe Melo (Crédito: AFP)


Fonte: Com informações do Uol