Seleção Brasileira faz 4 a 0 no Japão e dá força a novo quarteto de Mano Menezes; veja

Seleção Brasileira faz 4 a 0 no Japão e dá força a novo quarteto de Mano Menezes; veja

Paulinho, Neymar (duas vezes) e Kaká marcaram os gols do jogo.

Em partida que serviu para uma avaliação mais criteriosa do esquema tático desenhado por Mano Menezes diante dos fragílimos China e Iraque, a Seleção Brasileira venceu com segurança o Japão por 4 a 0, nesta terça-feira, em Wroclaw, e deixa a Polônia com um time pronto para ser trabalhado até a Copa das Confederações. Paulinho, Neymar (duas vezes) e Kaká marcaram os gols de um jogo marcado também pelos vastos espaços na arquibancada do Estádio Miejski.

O novo quarteto escalado por Mano, sem a presença de um centroavante fixo, voltou a funcionar, mas agora contra um time de nível Copa do Mundo em ascensão no cenário do futebol mundial. Sem ter a força e tradição de times que levaram dificuldades ao Brasil recentemente, como Argentina, França e Alemanha, os japoneses têm jogadores atuando em grandes clubes da Europa, chegaram às oitavas na África, venceram os franceses na última semana e são 23º não ranking da Fifa.

Neymar foi o principal destaque da partida, sendo autor de dois gols e participando de outro. Livre no ataque, como se fosse um falso centroavante, o santista apareceu durante todo o jogo, iniciou os principais lances brasileiros e abriu espaços para as chegadas à área de Kaká, Hulk e Paulinho, um dos destaques da partida.

O volante corintiano subiu com frequência no ataque, abriu o placar com um gol de bico e ainda perdeu outro sem goleiro. Kaká, em sua segunda partida na Seleção desde a Copa do Mundo da África do Sul, ensaiou tabelas com Neymar e manteve a média da sua volta contra o Iraque.

Mais importante do que ampliar para seis a sequência de vitórias construída, na maioria contra adversários fracos, desde a derrota na final olímpica, o resultado e o futebol consistente dá segurança para Mano Menezes aperfeiçoar o time-base dos três últimos amistosos até a Copa das Confederações em junho de 2013. Até a convocação, serão apenas mais quatro partidas com o time principal, iniciando no dia 14 de novembro, contra a Colômbia, em Nova Jersey. Em fevereiro de 2013, o adversário será a Inglaterra, no Estádio de Wembley.





O jogo

A Seleção veio a campo com apenas uma mudança em relação ao time que goleou o Iraque por 6 a 0: sem Marcelo, que fraturou o pé direito em treino, Mano escalou o zagueiro Leandro Castán na lateral esquerda. Ramires era dúvida por conta de uma sinusite, mas veio para o jogo.

A partida começou movimentada, com o Brasil ligando contra-ataques rápidos e o Japão mantendo a posse de bola na frente. O primeiro lance de perigo foi japonês, aos 8min. Kiyotake recebeu bola na entrada da área e Diego Alves precisou fazer defesa firme. Três minutos depois, entretanto, a Seleção abriu o placar. Paulinho recebeu pouco antes da meia lua e chutou firme no canto direito de Kawashima.

O Japão tinha mais posse de bola, mas as melhores chances passaram a ser todas do Brasil. Aos 16min, Neymar deixou Paulinho em grande posição na ponta esquerda, mas o corintiano finalizou cruzado e para fora. Aos 24min, a situação da Seleção ficou mais tranquila. Kaká saltou em dividida com Konnon, a bola bate no zagueiro japonês e o árbitro viu pênalti. Neymar foi para a cobrança e acertou no ângulo esquerdo.







Com o resultado ampliado, a situação do Brasil ficou mais tranquila, até porque o Japão passou a ter menos volume de jogo. A Seleção ainda teve outras duas boas oportunidades de marcar, a melhor delas com Kaká aos 33min, mas o chute do meia do Real Madrid acertou a trave esquerda da seleção japonesa.

O Brasil voltou do intervalo com a mesma escalação e precisou de apenas dois minutos para marcar novamente. Em cobrança de escanteio, Neymar teve tempo de dominar a bola na segunda trave e contou com desvio na defesa japonesa para vencer o goleiro Kawashima. O Japão buscou ir mais ao ataque, mas os lances de maior perigo saíram pela linha de fundo.

Hulk ficou perto de fazer seu gol aos 12min em cobrança de falta que explodiu o travessão. O Brasil chegou a estufar as redes aos oito minutos depois, mas a arbitragem invalidou o lance: Neymar cruzou antes da linha de fundo quase sem ângulo e Ramires completou, mas o bandeirinha assinalou equivocadamente que a bola havia saído em tiro de meta.

Kaká, que vinha tendo boa atuação, fez o seu aos 30min em jogada rápida de contragolpe que terminou com chute forte de esquerda. Com o placar garantido, Mano pôde fazer modificações e testar opções. O primeiro a entrar foi Giuliano, no lugar de Hulk. A seguir, Kaká foi substituído por Lucas. Ainda houve tempo de o apagado Oscar dar lugar a Thiago Neves.







Fonte: Terra