Seleção pega hoje a Colômbia com desafio de manter a defesa

Seleção pega hoje a Colômbia com desafio de manter a defesa

O rival está em oitavo no ranking Fifa (o Brasil é 13º).

A seleção brasileira enfrenta hoje à noite um teste de verdade para sua defesa. Depois de ver o ataque se fartar de fazer gols contra rivais de capacidade discutível, o Brasil enfrenta a Colômbia às 22h30, em Nova Jersey, em partida amistosa.

O rival está em oitavo no ranking Fifa (o Brasil é 13º), escalou posições nas Eliminatórias Sul-Americanas (é terceiro) e tem jogadores badalados no futebol europeu.

É notória na seleção a preocupação com Radamel Falcao Garcia, 26, atacante do Atlético de Madri, que leva o nome do meio em homenagem a Paulo Roberto Falcão.

Falcao tem 13 gols em 11 jogos pelo time na temporada, e outros cinco em seis partidas pela Colômbia. Como notou Mano Menezes, é pretendido pelos maiores clubes do mundo. "Temos que tomar cuidado especial com ele".

O goleiro Diego Alves o qualificou como "o melhor centroavante do mundo" e o zagueiro Thiago Silva tampouco mediu elogios: "Eu o admiro muito como jogador, se comporta no campo como deve ser, nunca é visto brigando com os zagueiros".

Parar Falcao será só uma das missões do Brasil. O camisa 9 estará cercado por outras duas sensações colombianas. O meia James Rodríguez, 21, e o atacante Jackson Martínez, 26, responsáveis diretos pela boa campanha do Porto na Copa dos Campeões --avançou com duas rodadas de antecedência às oitavas.

O Manchester United está disposto a pagar quase R$ 100 milhões aos portugueses para ter o jovem Rodríguez.

Martínez tem oito gols em oito jogos no Português (11 em 13 partidas no total) e já é chamado de "o novo Falcao".

A seleção brasileira vai enfrentar a Colômbia com dois desfalques em relação ao que Mano considera o time base.

Lesionados, o lateral esquerdo Marcelo dá lugar a Fábio Santos, e Hulk, deve ser substituído por Lucas.

O técnico vai usar a mesma formação que atropelou China (8 a 0), Iraque (6 a 0) e Japão (4 a 0): sem centroavante, mas com quatro jogadores de mais mobilidade à frente.

"Só é possível ter parâmetros de avaliação se testarmos [a formação] contra rivais qualificados", afirmou Mano.

Hoje é a última data-Fifa de 2012, portanto a derradeira chance para o treinador ver de perto os jogadores que atuam na Europa. Na semana que vem, uma seleção local do Brasil pega sua similar da Argentina em Buenos Aires.

"A verdade é que gostaríamos de ter mais jogos", disse o zagueiro Thiago Silva.

O capitão avalia o time como "de 7 para 8". "Estamos evoluindo".

Mano hesitou ao dar uma nota para o próprio trabalho, mas concordou com Thiago Silva. "Acho que a 10 é impossível chegar, mas nunca podemos deixar de tentar", filosofou o treinador.

Fonte: Folha