Sem mágoa, Rubinho diz: "se Ferrari me chamasse eu iria"

O polêmico período vivido por Rubens Barrichello na Ferrari faz parte do passado

O polêmico período vivido por Rubens Barrichello na Ferrari faz parte do passado. Atualmente na equipe KV da Fórmula Indy, o piloto afirmou, em entrevista ao SporTV, que não descartaria um retorno à Ferrari caso fosse convidado. "Eu queria que o fã entendesse que não tenho nenhuma mágoa. Se o cara fosse me chamar para guiar eu ia, eu ia guiar!", exclamou ele, que foi companheiro de Michael Schumacher entre 2000 e 2005 e, cumprindo ordem da equipe, cedeu a vitória ao alemão nos metros finais do Grande Prêmio da Áustria de 2002. "É uma equipe que tinha de tudo. Foi a melhor equipe que eu guiei em termos de respaldo, de criatividade", completou.

Barrichello, que foi o oitavo colocado do Grande Prêmio do Alabama do último fim de semana, tem contrato com a KV válido para esta temporada da Indy. Questionado sobre um possível retorno à F1, ele não descartou e disse contar com o apoio do chefe comercial da categoria. "Eu estou super aberto, é uma coisa para ser pensada. Eu falei com o Bernie Ecclestone antes do começo da temporada. Eu liguei para ele para falar se eu tinha uma credencial para o ano; ele falou que eu tenho uma credencial para a vida.

O Bernie foi muito simpático, sempre me ajudou. Ele falou: "você vai mesmo correr (na Indy)?" Eu falei: "vou, você não me arrumou um lugar aí". Ele falou: "vou ver isso aí". Então tem que deixar, para essas coisas tem que estar super em aberto", afirmou o experiente piloto, 39 anos e recordista de GPs disputados na elite do automobilismo mundial.


Sem mágoa, Barrichello diz: se Ferrari me chamasse de volta eu iria

Fonte: Terra, www.terra.com.br