Sem o BNDES, Corinthians estuda empréstimo a banco

Sem o BNDES, Corinthians estuda empréstimo a banco

Diretor de marketing diz que clube pretende pedir dinheiro a grande banco

O Corinthians ainda não formalizou ao BNDES o pedido de empréstimo dos R$ 400 milhões para a construção do seu estádio em Itaquera, na zona leste de São Paulo. Pretende fazer isso no próximo mês. Mas, caso a liberação do valor não saia até janeiro de 2011, o clube estuda um ?empréstimo ponte? para iniciar as obras.

- Estamos imaginando a liberação do recurso para o começo do ano que vem, mas se não vier vamos fazer um empréstimo ponte. Com a garantia da construtora Odebrecht qualquer banco grande aceita nos dar o dinheiro ? declarou o diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, nesta terça-feira.

A construtora citada pelo cartola é a responsável por ser fiadora do clube com o BNDES. O Corinthians não poderia pegar o recurso disponível a cada estádio sede da Copa do Mundo sem alguém que garantisse o pagamento. Até por conta do histórico de inadimplência dos times brasileiros. A carência para quitar o empréstimo é de três anos.

- O nosso grande desafio era achar um fiador para esses R$ 400 milhões. E ele será a Odebrecht. Os clubes brasileiros não têm austeridade fiscal. Nas outras sedes esse processo será mais tranquilo porque quem vai tomar o empréstimo são os governos locais. E eles dão garantia de pagamento ? explicou Rosenberg.

De qualquer maneira ainda há um impasse para que o estádio do Corinthians receba a abertura da Copa do Mundo de 2014. E digamos que esse impasse custará R$ 200 milhões. É esse o valor aproximado do que custará a ampliação do projeto do estádio do Timão de 48 mil para 65 pessoas.

- Não vamos admitir que São Paulo passe pela vergonha de não sediar a abertura. Vamos construir juntos uma solução financeira justa e tolerável ? disse o cartola.

Fica claro, então, que o Corinthians pretende colocar mais dinheiro do que os R$ 400 milhões do BNDES. Só que a diretoria alvinegra estuda uma maneira de dividir bem o que ficará para o clube depois da Copa e o que ficará para a cidade.

- Estamos em um jogo aberto, franco. Temos de definir o projeto para a abertura e ver o que vai nos onerar e que vai ficar para o Corinthians depois e o que uma sede de abertura precisa e que tem de ser custeado pela Fifa. Só quando tivermos isso é que podemos fazer um plano de quanto vamos gastar ? finalizou Rosenberg.

A previsão para início das obras no Fielzão é para março de 2011. Alguns falam em finalizar a obra até dezembro de 2012, mas o mais provável é que seja apenas no último trimestre de 2013.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com