TJD/PI: após definições terá novo parecer do PI e River

O Piauí alegou uma alteração na súmula da partida, mais especificamente no que diz respeito à expulsão do lateral Jorginho do jogo

O clima acirrado envolvendo o duelo entre Piauí e River não se restringiu ao gramado, e ganhou o âmbito do Tribunal de Justiça Desportiva. Na sessão da noite da última terça (06), o TJD-PI julgava os casos dos atletas envolvidos nas expulsões da partida, realizada em 24 de abril e que foi válida pela sexta rodada do returno do Estadual. No entanto, o julgamento acabou sendo adiado.

Os motivos foram que o Piauí alegou uma alteração na súmula da partida, mais especificamente no que diz respeito à expulsão do lateral Jorginho, do Piauí, expulso após jogada mais dura em Danilo Goiano no segundo tempo de jogo.

A súmula original apontava que o atleta foi expulso por ter levado o segundo amarelo e, em outro documento, constante no processo (e sem a assinatura dos capitães das duas equipes), havia a informação de que Jorginho havia levado vermelho direto. Com essa situação de dúvida, a defesa do Piauí pediu o arquivamento do processo. Os documentos devem ser analisados para verificar a denúncia.

O River, por sua vez, pediu o adiamento do julgamento para melhor analisar o caso do goleiro Éverson, único expulso do time tricolor na partida (o Piauí teve quatro expulsos: Binha, Silas, Eduardo Junho e Jorginho). O arqueiro riverino é acusado de abandonar a meta e agredir um atleta rubro-anil no começo da confusão generalizada que se instalou no jogo.

?O artigo 254-a (do Código Brasileiro de Justiça Desportiva), no qual os atletas foram denunciados, diz que a pena mínima por agredir outro atleta é de quatro a doze jogos. Se forem condenados, não podem pegar menos de quatro jogos?, explica o presidente do TJD-PI, José do Egito.

Ainda de acordo com o presidente do TJD-PI, no dia 15 o caso do River deve ser julgado. ?Cumprirei as diligências que me foram pedidas e vou julgar. No mais, vou emitir um despacho estabelecendo um prazo de 24 horas para as duas partes apresentarem o que for necessário para um novo julgamento do processo. Caso não apresentem, vou colocar em pauta e julgar?, complementou José do Egito.

Josué trabalha o psicológico dos atletas do River

Na tarde de ontem o River foi a campo no CT Afrânio Nunes para que o técnico Josué Teixeira,pudesse analisar suas opções de jogo em busca da equipe que enfrentará o 4 de Julho no sábado, durante a grande final do segundo turno do Campeonato Piauiense 2014. O treinador dividiu o time em três grupos, observando diversas situações de jogo.

Questionado sobre o clima na equipe a poucos dias de mais uma batalha fora da capital, o técnico disse estar preparando os atletas para mais um jogo ?puxado?. ?Estamos acostumados com esse ritmo. Quando cheguei, passei aos atletas que teríamos oito desafios pela frente - e isso incluía esses jogos decisivos fora de casa, claro. Então estamos trabalhando também o lado emocional dos atletas. Está tudo dentro de um processo natural, com objetivos bem definidos?, disse o treinador.

?A ordem é respeitar o 4 de Julho, que é uma equipe difícil e tentar trazer o resultado para cá, para buscar colocar o River em uma Copa do Nordeste, que é o mais importante?, complementou Josué.

O outro Josué do grupo, o atacante, ainda sente dores musculares. Já o volante Amarildo, que chegou a passar mal logo após a vitória contra o Parnahyba na semifinal, no último domingo, diz que sua situação ainda precisa ser melhor avaliada.

?Estou aguardando a realização de alguns exames para saber se jogo mesmo?, disse o atleta. O volante, aliás, é um dos mais aplaudidos pela torcida riverina. ?Fico muito feliz com esse reconhecimento e por ter a oportunidade de mostrar quem eu sou e o que posso fazer?, afirmou Amarildo, pouco antes de treinar com o grupo.

4 de Julho e River fazem a final da taça Cidade de Teresina, o segundo turno do Estadual, a partir de 17h deste sábado (10), na Arena Ytacoatiara, em Piripiri. Quem vencer enfrenta o Piauí Esporte Clube na grande final do campeonato.

Fonte: Dowglas Lima