Torcedores presos após briga em Joinville são isolados por questão de segurança

Torcedores presos após briga em Joinville são isolados por questão de segurança

Reportagem teve acesso ao local onde os três vascaínos detidos no incidente entre as torcidas de Vasco e Atlético-PR estão enca

Três vascaínos foram detidos após a briga generalizada entre as torcidas de Vasco e Atlético-PR ocorrido na Arena Joinville, em partida válida pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Por questão de segurança, Jonathan Fernandes dos Santos, Artur Lima Ferreira e Leone Mendes da Silva estão isolados na penitenciária da cidade. Eles dividem a mesma cela, sem a companhia dos outros presos.

De acordo com o diretor da Penitenciária de Joinville Richard Harrison, a escolha pela Penitenciária de Joinville, onde ficam detentos que já cumprem pena, foi para preservar a integridade dos torcedores. Os detentos vão responder por tentativa de homicídio.

- Não é uma exclusividade para eles porque nós temos outros presos que, por questão de segurança, também aguardam a decisão da Justiça na Penitenciária Industrial de Joinville - afirmou Harrison.

Após investigação, a polícia revelou que o objeto utilizado por Leone Mendes para atacar o torcedor do Atlético-PR, que estava no chão, não era uma barra de ferro, mas, sim, o pé de uma mesa de madeira da lanchonete do estádio.


Presos após briga em Joinville são isolados por questão de segurança

A cidade de Joinville ainda respira o ar negativo da confusão. Durante a semana, o assunto foi só um: a briga entre os torcedores que chocou o mundo. O dia 8 de dezembro de 2013 não sai da cabeça de quem viveu o pesadelo de perto.

- Eu tava assistindo fiquei indignada quando vi aquilo. Judiando das pessoas com os pés pisando por cima, isso não pode - disse Benta Nogueira, dona de casa.

O caso acabou provocando uma reação em cadeia, e até a Fifa mostrou preocupação. Em Brasília, o Ministério do Esporte e da Justiça se reuniu com a CBF e com representantes dos clubes. Entre as medidas discutidas no encontro, o estímulo à criação de delegacias e de juizados do torcedor em todos o país foi o destaque. Também foi sugerido um cadastro unificado dos torcedores, além de punição técnica, como perda de pontos.

A Justiça Desportiva já julgou o incidente do último domingo. O Atlético Paranaense foi condenado com a perda de 12 mandos de campo, seis com portões fechados, e multa de 140 mil reais. O Vasco recebeu a pena de oito mandos de campo, quatro com portões fechados, além de multa de 80 mil.

Em depoimento em vídeo, o presidente Roberto Dinamite lamentou as cenas de agressão na Arena Joinville, as quais considerou "lamentáveis". Roberto eximiu a torcida do Vasco de culpa no episódio, e afirmou que foram os atleticanos que foram atrás dos visitantes em busca de briga. Ele também criticou a falta de policiamento no estádio.

- A Polícia Militar deveria estar ali fazendo a divisão das duas torcidas para que tudo pudesse transcorrer de forma tranquila. Mais do que nunca, esse jogo não deveria ter se iniciado por não termos a segurança e o policiamento adequado - disse.

A assessoria de imprensa do Vasco negou que tenha disponibilizado ingressos ou pago a viagem dos torcedores à Joinville, mas admitiu que vende bilhetes com 50% de desconto para as organizadas. O clube garantiu estar acompanhando as investigações e pede a punição dos responsáveis pelo tumulto.

Fonte: Globo Esporte