Tratado como "comum", Pato se adapta bem em início no Corinthians

Diretoria se esforça para manter filosofia de Tite, sem estrelas no time


Tratado como
Um dos maiores astros do futebol brasileiro vai passar os próximos dias dormindo no CT do Corinthians, sem luxo, nem mordomias. Recém-contratado, o atacante Alexandre Pato é tratado como se fosse apenas mais um, sem o status de estrela que poderia caber a alguém que veio do Milan e custou mais de R$ 40 milhões. A diretoria corintiana trabalha para que a chegada do astro não quebre a harmonia construída pelo técnico Tite, em que todos os jogadores são tratados como iguais.

Se depender de Pato, esse problema não deve existir. Animado e bastante disposto, o jogador agradou a funcionários e membros da comissão técnica em seus dois primeiros dias de clube. Com simplicidade, disse que dormiria no hotel construído no CT Joaquim Grava até achar um novo lar para viver - ele não tem tanta pressa para isso.

A apresentação dele, sexta-feira, foi no mesmo local, sem alarde. Ao contrário de astros recentes como Ronaldo e Roberto Carlos, a cerimônia para a chegada de Pato não teve presença da torcida - exceção feita a um membro de uma organizada que lhe entregou uma camisa. O caso foi pensado pela diretoria, que não quer ver a receita do título mundial desandar.

- O Pato tinha de ser apresentado aqui, normal, como qualquer outro jogador. Fizemos isso com o Renato Augusto e vamos fazer com o Gil - destacou o diretor de futebol Roberto de Andrade.

Dias antes, quando o negócio foi confirmado, a cúpula corintiana se apressou ao dizer que o salário de Pato não ultrapassava o teto estabelecido pelo clube, em mais um indício de que a intenção é tratá-lo como parte do elenco, sem privilégios. De acordo com a diretoria, o atacante pode ter ganhos maiores por causa de ações do departamento de marketing e da exploração de sua imagem.

Tudo isso para manter a filosofia de Tite, que diz não ter estrelas em seu elenco. O próprio Pato entendeu o discurso e, em sua chegada, disse que não haveria um jogador ?maior? do que o outro.

- Num time que é campeão mundial, todos são estrelas - afirmou o atacante.

Com um histórico de tranquilidade fora de campo, Pato mostrou estar se adaptando rapidamente ao novo ambiente de trabalho. No sábado, sempre sorrindo, treinou em campo por meia hora com o fisioterapeuta Bruno Mazziotti e ficou à vontade diante dos novos colegas. As brincadeiras com os companheiros têm sido constantes.

Na segunda-feira, ele vai conhecer mais 13 jogadores: os titulares e dois reservas que venceram o Mundial de Clubes no Japão. Considerando-se ?mais um do bando?, Pato chegou dizendo que só quer ajudar. Com essa postura, a diretoria espera que o clima que marcou a temporada passada seja mantido.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com