Túlio negocia e reajusta valor do passe para chegar ao gol mil

Túlio Maravilha legisla em causa própria quando o assunto é futebol

Vereador em Goiânia pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), Túlio Maravilha legisla em causa própria quando o assunto é futebol. Com 965 gols na carreira, o atacante planeja marcar 30 até o final do ano para, em janeiro de 2012, chegar ao Botafogo precisando de cinco para marcar o milésimo durante três meses. Com contrato de mais cinco jogos pelo Canedense, Túlio negocia com o América-RJ para disputar a Copa Rio e traça a premiação para os próximos companheiros de ataque. Atualmente, quem lhe dá passe para gol recebe R$ 100. Em 2012, o valor subirá para R$ 1 mil. O autor do passe para o gol mil abocanhará R$ 10 mil.



? Não faço aviãozinho como o Sílvio Santos, mas pago no vestiário ? diz o filho de seu Mussolini, nome em homenagem ao líder do partido fascista italiano no século passado.

E o projeto do gol mil?

No final do ano, vou chegar aos 995 gols. Tenho 965 e tenho que fazer 30. E depois, no Botafogo, tenho três meses para marcar cinco e chegar ao milésimo. Esse é o objetivo do projeto. Com a Canedense, tenho mais três jogos oficiais e dois amistosos. Termina em agosto e passo a procurar novo clube $tenha calendário até dezembro. Deixa eu fazer um elogio ao Botafogo? Desde Carlos Augusto Montenegro que o clube não tinha um presidente tão bom. O Maurício Assumpção é sério, competente.

Vem para o América?

Tenho proposta do América, sim. Estamos conversando. Mas tenho também de um time do Ceará (3 Divisão), um do Amapá e um de um time de Minas (2 Divisão estadual). Vou pensar. Até porque, como vereador, tenho pendências e alguns clubes não aceitam. Só estou disponível a partir de quinta-feira. E aí até domingo. Sei que o Túlio é marketing para cidade que vai. É o projeto do milésimo gol. Analiso competição, quantidade de jogos.

Estão te aliviando nesse projeto do gol mil? Tem feito um monte de gols de pênalti?

Tenho cinegrafista pessoal. Só fiz dois gols de pênalti. Não estão me aliviando. Teve amistoso que foi até 0 a 0. Isso é incrível, amistoso 0 a 0. A zagueirada fala: aqui, não. Faz no próximo jogo.

E o palco do gol mil? Frustra não ser no Maracanã?

Maracanã já tem Pelé. O palco é dele. São Januário é do Romário. E o Engenhão é do Túlio.

E o adversário?

Não escolho adversário. O torcedor escolhe, né: Flamengo, Flamengo, Flamengo. Deus lá de cima é que vai mandar.

De pênalti também, assim como Pelé e Romário?

Queria que meu gol não fosse de pênalti para sair da rotina, da mesmice. Pode ser de cabeça, de bico. De mão, não. Chega de polêmica.

É verdade que vai aumentar a premiação para quem lhe der passe para gol?

Olha: desde 2007, faço isso. Eu vou aumentar a grana. No ano que vem, para quem der o passe, vou subir de R$ 100 para R$ 1 mil. E mais R$ 10 mil quem der o passe para o gol mil. Comecei com R$ 50. Passei a R$ 100. Sou bom pagador. Não jogo aviãozinho como o Sílvio Santos, mas pago no vestiário.

Jogadores de clube pequeno devem te procurar toda hora...

Digo a eles: driblou o goleiro, espera que eu estou chegando. Amigo, eles ganham salário-mínimo, quando ganham. É melhor fazer gol ou R$ 100? Então, eles esperam o Túlio (risos).

O gol mil lhe coloca na história do futebol, como Pelé, Romário...

Não sou mito como Pelé, nem gênio como o Garrincha, nem craque como o Maradona, nem Fenômeno como o Ronaldo. Só quero ser lembrado como Túlio Maravilha, um dos maiores goleadores do futebol mundial.

Para entrar nessa galeria, você tem rodado o Brasil, passado por maus bocados...

E como. Já fui jogar em Manicoré. Para chegar lá, a viagem tinha que ser de barco. Os jogadores dormiam em redes. Eu tinha um camarotezinho. Nem mosquito entrava. Em 2003, num jogo pelo Atlético-GO contra o Ituiutaba, um torcedor, com chapelão e bêbado, invadiu o nosso vestiário. Lá, sacou um revólver e disparou tiros para o alto, gritando que ninguém sairia vivo dali se ganhasse o jogo. Aí, veio a partida: estádio com gramado ruim, luz de boate. No tempo normal, 2 a 1 para eles. Eu fiz o gol e nem corri para comemorar. Bola debaixo do braço e corrida para o meio do campo... Depois, a decisão por pênaltis.

Cobrou pênalti na decisão?

Claro. O que fiz? Ah, perdi. Se tivesse marcado não estava aqui para contar história (risos).

A torcida adversária pega muito no seu pé?

Desde o aquecimento. Como me chamam de vereador ladrão (risos). Xingam de viado. É o tempo todo.

Se sente bem fisicamente?

O segredo de jogar aos 42 anos é dormir bem. Corro 7 km por dia, tenho o mesmo peso de 15 anos, o percentual de gordura está entre 10% e 11%, a comida é balanceada. Não bebo refrigerante. Ah, e claro, faço muito amor.

O que achou da seleção brasileira na Copa América?

Não pode cobrar resultado desesperadamente. Já vimos esse filme em outras Copas. Ganhou tudo e na hora H, nada. O foco é 2014.

Mas e os pênaltis?

Não foi buraco, foi nervosismo. O emocional veio com tudo. Sentiram a pressão. Bom que os mais velhos erraram.

E a pressão sobre Neymar e Paulo Henrique Ganso?

O Neymar precisa ser mais objetivo. E o Ganso, de uns estalos para acordar. Mas não pode pôr peso nas costas, eles chegarão maduros na Copa.

Desde o fim da era Ronaldo, a camisa 9 está carente...

A coisa está feia. Acho que o Fred não chega a 2014. O Damião (Leandro) é um nome. Sei lá. Falta faro de gol. Eu tinha o perfume do gol.

Fonte: Extra, extra.globo.com