Vasco volta a decepcionar e é derrotado pelo Olaria em Volta Redonda

Vasco volta a decepcionar e é derrotado pelo Olaria em Volta Redonda

Gigante da Colina não vence há três partidas e corre o risco de ser ultrapassado pelo América na segunda colocação do Grupo B da Taça Rio

O Vasco ainda não engrenou na temporada 2010. Com a derrota por 1 a 0 na tarde deste sábado, em Volta Redonda, para o Olaria, pelo Campeonato Carioca, o Gigante da Colina chegou ao seu terceiro jogo sem vitória. Foi a primeira vez em que um time grande caiu diante de um pequeno no Carioca 2010. Para piorar a situação, o time comandado por Vagner Mancini pode perder a segunda colocação no Grupo B da Taça Rio para o América que, neste domingo, vai enfrentar o Bangu, em Moça Bonita. Dois pontos separam as equipes (nove contra sete).

Além da sequência negativa em 2010, o Vasco perdeu a invencibilidade de 39 anos para o Olaria em partidas válidas pelo Campeonato Carioca. O último triunfo do rival havia acontecido em 1971. O resultado também marcou a vitória de ex-dirigentes da equipe de São Januário, que hoje comandam o futebol da Rua Bariri. Paulo Angioni (gerente de futebol), Paulo Reis (jurídico) e José Luiz Moreira já formaram a cúpula do futebol do Gigante da Colina.

A equipe da Rua Bariri chegou aos nove pontos e ocupa a sexta colocação no Grupo A da Taça Rio. Na próxima rodada, o Vasco vai receber o Americano, em São Januário. O Olaria pega o Macaé, no Estádio Godofredo Cruz, em Campos. As duas partidas estão marcadas para a próxima quarta-feira.

Após início promissor, Vasco volta a sofrer apagão e leva gol do Olaria

Os primeiros dez minutos do Vasco atenderam às orientações do técnico Vagner Mancini. Marcação no campo do adversário, jogadas pelas laterais, triangulações e saída rápida da defesa para o ataque. Nesse período, o time da Colina teve três chances claras de abrir o marcador. Na primeira, aos três, Elder Granja recebeu de Rafael Coelho dentro da área e, em vez de chutar, tentou o cruzamento. A zaga do Olaria aproveitou para afastar o perigo.

Os outros dois lances aconteceram aos seis e aos sete minutos de jogo. No primeiro, Philippe Coutinho rolou para Jéferson na entrada da área e o meia soltou a bomba. A bola passou rente à trave de Henrique. No lance seguinte, Paulinho aproveitou uma saída errada da defesa do Olaria e arriscou da intermediária. O arqueiro do time da Rua Bariri voltou a defender. E o Vasco parou por aí.

O Olaria acordou para o jogo, acertou a marcação e aproveitou a lentidão e os erros de passe do Vasco. Aos 12 minutos, o gol que definiu a partida. Após erro de passe de Philippe Coutinho no meio-campo, Aleílson puxou contra-ataque, passou por Fernando e rolou para Cacá, na marca do pênalti. Com Prass batido, o atacante só tocou para as redes para abrir o marcador.

Com o gol, os erros do Vasco e a impaciência do torcedor, presentes nos últimos jogos no Rio de Janeiro, reapareceram no Raulino de Oliveira. Recuado, o Olaria buscava os contra-ataques. E foi em um deles que quase ampliou. Aos 15, completamente sozinho, Aleíson recebeu pela esquerda, entrou na área e chutou em cima da zaga. Na sobra, Araruama arriscou de fora da área e Fernando Prass defendeu.

Sem poder de penetração, o Vasco tentava chegar ao empate em chutes de fora da área. Jéferson e Rafael Carioca tentaram arremates de longa distância aos 17 e 21 minutos, respectivamente. Todos com perigo ao gol de Henrique. Aos 30, Mancini perdeu a paciência com a equipe e sacou Gustavo, apostando na entrada de Souza. Sem a igualdade no marcador, os jogadores deixaram o campo vaiados.

Olaria tem gol anulado no segundo tempo e Souza é expulso no fim

Disposto a virar o placar, o treinador vascaíno retornou para a etapa final com a equipe um pouco mais ofensiva. Mancini tirou o volante Paulinho e colocou o atacante Geovane Maranhão. Porém, a impaciência atrapalhava a organização das jogadas de ataque. O time cruzmaltino tentava superar a defesa do Olaria alçando bolas na área. Em vão.

O primeiro lance de gol do Vasco aconteceu aos oito minutos. Geovane Maranhão cruzou da esquerda para Rafael Coelho. O atacante dominou na marca do pênalti de costas para o gol, girou sobre o zagueiro e chutou para ótima defesa de Henrique. Na sobra, Philippe Coutinho tentou marcar de cabeça, mas chegou empurrando o zagueiro do rival.

Aos 16, o Olaria teve a sua primeira chance no segundo tempo. Rafael cobrou falta da intermediária e o goleiro Fernando Prass agarrou com segurança no centro do gol. Quatro minutos depois, Dodô foi chamado por Mancini para entrar na vaga de Jéferson. Antes mesmo de ir ao campo, o artilheiro já era vaiado e hostilizado pelos torcedores.

Desorganizado, o Vasco pressionava, mas não conseguia levar perigo ao arqueiro Henrique. O Olaria perdeu uma ótima oportunidade de matar o jogo aos 31. Aleílson aproveitou falha de Gian, que tentou fazer a linha de impedimento, e recebeu lançamento na intermediária. Completamente sozinho, o atacante entrou na área e errou o chute ao tentar encobrir o goleiro Fernando Prass. A bola passou por cima do gol do Vasco.

Aos 42, em lance polêmico, o Olaria teve um gol anulado. Em um contra-ataque rápido, Cacá recebeu dentro da área e chutou em cima de Fernando Prass. O árbitro Antônio Frederico de Carvalho chegou a correr para o centro do campo, mas a bandeirinha Lilian da Silva Fernandes invalidou o lance. Irritado, o técnico Dé deixou o gramado reclamando da marcação.

- Eu me recuso a ficar nessa palhaçada - protestou.

Souza ainda foi expulso nos acréscimo ao dar um pontapé em Cacá. No fim do jogo, os torcedores hostilizaram os jogadores, Mancini e o presidente Roberto Dinamite, que estava presente ao Raulino de Oliveira.

Fonte: Globo