Vento no Pan atrapalha atletas brasileiras na busca por medalhas

Uma atleta ficou a 3 centésimos de conquistar o bronze.

Uma das maravilhas da natureza desta vez não está ajudando da melhor forma. O vento nos jogos Pan-Americanos de Toronto tem atrapalhado e muito, principalmente as atletas brasileiras. Ana Cláudia Silva, de 26 anos, foi a primeira que sofreu com o caso. Ela chegou para disputar como a mulher mais rápida da América do Sul, mas o vento não colaborou na sua performance. “O vento está muito forte, mas é bom para o ego”, falou ela.

A segunda atleta brasileira que sofreu com o vento foi Rosângela, que ganhou ouro em Guadalajara em 2011. Mas nesta quarta-feira o vento apareceu e estragou a sua marca fazendo ela perder por três centésimos a medalha de bronze.

No masculino aconteceu o mesmo. A prova dos 100m teve quatro homens correndo abaixo dos 10 segundos: Keston Bledman, de Trinidad e Tobago, Romontay McClain e BeeJay Lee, dos EUA, e Andre de Grasse, do Canadá. Nenhuma das provas, porém, serve como recorde. A única que poderia entrar na conta foi a final, mas De Grasse venceu com 10s05. Com isso, por mais quatro anos o recorde sul-americano será de Kim Collins, de São Kitis e Neves, que em Guadalajara-2011 marcou 10s00. "São coisas que deus faz. Não dá para reclamar. A pista estava boa, a torcida maravilhosa. Uma hora essa marca sai", disse BeeJay Lee.

Image title



Fonte: Com informações do Uol