Vôlei Futuro dá o troco, empata a série e segue na briga pela vaga

Após perder em casa, Lorena e seus companheiros superam pressão e batem Rio no Maracanãzinho

Aquela derrota por 3 sets a 0, em plena Araçatuba, ainda estava engasgada. E, apesar da desvantagem na série, o Vôlei Futuro não estava nem um pouco disposto a fazer aumentar a lista de gigantes derrubados pelo Rio de Janeiro. Neste domingo, no Maracanãzinho, o estreante da Superliga contou com o apoio de 11.400 torcedores, saiu na frente, criou oportunidades, mas não conseguiu passar por Lorena, eleito o melhor em quadra, e seus companheiros: 3 sets a 1, parciais de 18/25, 27/25, 25/23 e 25/21. Dado o troco, a vaga na final da Superliga será decidida na próxima sexta-feira, às 21h, no interior de São Paulo.



Em seu primeiro ano de vida, a equipe carioca ainda segue com chances de se igualar a Unisul, Florianópolis e Montes Claros, então três calouros que ganharam o direito de brigar pelo título da competição. Pode fazer mais. Ainda segundo as estatísticas da CBV, nenhum outro time, que ficou em sétimo lugar na fase de classificação, avançou à decisão.

- A gente não queria que a nossa história terminasse aqui hoje. Nós vimos o vídeo do jogo passado e concluímos que perdemos para nós mesmos, porque não fizemos o que vínhamos fazendo dentro do campeonato. Sabíamos que, se jogássemos como nas partidas anteriores, poderíamos passar pressão para o outro lado. Aos pouquinhos, os jogadores foram entrando no jogo e conseguimos arrancar essa vitória. Agora a série está aberta e sabemos que vai ser um jogão na sexta-feira - disse Lorena, o destaque da partida, com 23 pontos.

O jogo

Mal pisou na área de saque, Marlon ouviu o pedido da arquibancada. O pedido era por um ace, mas o saque parou na rede. Esse e outros tantos também de seus companheiros e também do Vôlei Futuro, que forçavam os seus. Os erros deixaram o jogo equilibrado até o oitavo ponto. Dali em diante, quem deu as cartas foram os anfitriões. Dante comandou a equipe, que rapidamente abriu 15/10. O time de Araçatuba não se encontrava. Seguia desperdiçando saques e ataques. O técnico Cezar Douglas tentava colocar ordem na casa, tirou Ricardinho de quadra, trocava outras peças, mas nada surtia efeito. A difereça só aumentava. Para piorar a situação, o adversário estava muito atento e salvava bolas praticamente perdidas. A torcida agradecia, fazendo ainda mais barulho (20/12). Sem conseguir parar Théo, o Vôlei Futuro via o primeiro set ir para a conta do rival: 25/18.

Durante o intervalo, o levantador Ricardinho chamou os companheiros para uma conversa. Buscavam força para tentar vencer a etapa seguinte. Vibravam a cada vez que olhavam o placar e se viam em vantagem. Mesmo que fosse de um ponto. Quando fez 11/9, com um ataque de Lorena, a vaia foi imediata. Ele fingiu que não ouviu e soltou o braço de novo. Camejo fez o mesmo. A frente aumentou para 15/12. Apesar das falhas, o Rio de Janeiro encostava no marcador. A chance de empatar ficou na rede, com um saque de Lipe. Depois dali o tempo esquentou. O juiz deu desvio no bloqueio num ataque do time de Araçatuba. Os jogadores do Rio de Janeiro diziam que não. Lorena não gostou e foi reclamar na rede.

No ponto seguinte, virou a bola e comemorou olhando para a torcida. A arquibancada passou então a voltar olhos e xingamentos em sua direção. Enquanto isso, a equipe carioca reagia e cortava a vantagem. Lorena ficou irritado e não quis nem ouvir as instruções do treinador no pedido de tempo. Pouco depois, o empate: 20/20. Mas o Vôlei Futuro não se abateu e fugiu outra vez (23/21). Lorena chamava a responsabilidade. O Rio de Janeiro evitou duas vezes que o adversário fechasse o set. Só que na terceira, Théo encontrou o bloqueio duplo montado à sua frente: 27/25.

Os visitantes não tiveram muito tempo para comemorar. Os donos da casa voltaram para a quadra mordidos, abrindo 5/0. Mantiveram a diferença na casa dos cinco pontos (11/6). Vini, Lorena e o líbero Mario Júnior tentavam fazer o Vôlei Futuro vibrar de novo. A essa altura, parecia não ser o suficiente para ameaçar o bom momento do Rio de Janeiro. Até que um saque errado de Lucão, dois pontos de Michael e uma bola na antena de Lipe tiraram os anfitriões da zona de conforto: 17/15. Em meio a lamentos, a equipe tentava recuperar a concentração e as rédeas do set. Sem sucesso. Lorena conseguiu o empate e, com um bloqueio simples, Vini promoveu a virada: 20/19. As equipes seguiram se revezando no comando do placar. Até que Ricardinho mandou duas bolas para Lorena e ele não perdoou: 25/23.

O Rio de Janeiro lutava, mas os erros voltavam a atrapalhar. Melhor para o Vôlei Futuro, que aproveitava para se distanciar. Ditava o ritmo e minava as forças do rival. Fez 22/18 e ainda contou com um ace de Vini para respirar aliviado. Faltavam só dois pontos. O outro saque não passou para o outro lado da quadra. Chance para o time da casa. Um erro no levantamento de Ualas deixou a equipe de Araçatuba a um passo do triunfo. No entanto, o Rio de Janeiro não se entregava. Salvou dois match-points. Um saque de Théo, que bateu na fita e não passou para o outro lado, deu a vitória para o Vôlei Futuro.

- Nós começamos bem a partida e já esperávamos por um jogo equilibrado. Mas nós começamos a pecar na parte defensiva, e o Lorena começou a rodar as bolas. Isso deu confiança para o time deles. O Vôlei Futuro passou a jogar de forma mais agressiva, que é o que eles têm de melhor. Acho que eles tiveram mais tranquilidade que a gente. Agora é mata-mata - disse Marcos Miranda, técnico do Rio de Janeiro.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com