10 veículos para mais de 1.200 cadeirantes em Teresina

Cadeirantes participam do grito dos excluídos e fazem reivinidcação

A situação é crítica para os portadores de deficiência física em Teresina. Isso, porque são disponibilizados apenas 10 ônibus especiais para 1.250 cadeirantes cadastrados nos chamados 'Transportes Eficientes'. Esses transportes são, na verdade, insuficientes para atender passageiros de todas as regiões da capital.

Os cadeirantes na manhã desta sexta-feira, (04), reuniram-se na Prefeitura de Teresina, região central, para manifestar efetivação nos seus direitos e principalmente melhorias nos transportes. Eles alegam sucateamento da frota, que apresentam problemas em elevadores, cintos de segurança e ar-condicionado.

Além disso, devido a grande demanda por veículo, muitos cadeirantes têm que rodar de 3h a 4h por dia para chegar ao seu destino, o que acaba provocando atrasos em suas atividades e principalmente no próprio trabalho. É o que destaca Amparo Souza, vice-presidente da Associação dos Deficientes Físicos de Teresina:

“Temos 10 carros sucateados, sendo que diariamente funcionam apenas 7 ou 8 carros para atender toda Teresina. Existe uma demanda crescente e a oferta não têm acompanhado essa demanda. Isso traz muitos prejuízos nos demais direitos que conseguimos, inclusive, o trabalho. A gente nunca chega no horário certo nas empresas, isso acaba gerando um mal estar com nossos chefes e podemos até perder o emprego, que já é difícil”, ressalta

Amparo Souza garante que dignidade é a principal demanda dos cadeirantes em Teresina.“Estamos reivindicando é investimento aos Transportes Eficientes e respeito quanto aos nossos direitos. Vivemos constantemente em um estado de insegurança. Se quisermos fazer algo, somos obrigados a pôr nossas vidas em riscos. O que queremos é apenas dignidade”, pontua.

Segundo a cadeirante Ana Maria, que trabalha como técnica de enfermagem, a precariedade nos transportes especiais já a fez escorregar duas vezes. “Estamos todas de luto, com camisas pretas representando nossa qualidade nos transportes, que está na UTI. Eu, particularmente, por duas vezes, quase caí gravemente nesses ônibus”, destaca.

A cadeirante acrescenta ainda que a situação foi evitada por conta de um colega de transporte: “Tive sorte porque um colega teve força nos braços e conseguiu me segurar. Não deixou que o pior acontecesse comigo”, relembra Ana Maria.

De acordo com Carlos Rocha, secretário-executivo da Semtcas, a atual situação nos transportes especiais é de conhecimento do órgão e este deverá propor uma reunião, em breve, com os cadeirantes e os órgãos afins para discutir as demandas dessa população.

A Assessoria da Prefeitura explica ainda que o Programa Transporte Eficiente existe aproximadamente há cinco anos e conta com dez veículos circulando diariamente pela cidade. Os carros são distribuídos nas quatro zonas da cidade, sendo dois na zona Sul, três na Norte, dois na Leste e dois na zona Sudeste da cidade e um de reserva. Em 2014, seis carros prestavam o serviço, em 2015, foram adquiridos mais cinco veículos, com previsão de compra de mais dois veículos.

Fotos: Kelson Fontinele

Image title

Image title

Image title

Fonte: Márcia Gabriele