45% das grávidas não se planejaram, segundo pesquisa da Fiocruz

45% das grávidas não se planejaram, segundo pesquisa da Fiocruz

Planejar a gravidez é algo que as mulheres brasileiras parecem não se preocupar muito em fazer.

Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), realizada com 22 mil mulheres de um total de 24 mil que serão entrevistadas em 191 municípios, indica que 45% das brasileiras não planejaram a gravidez.

Os dados preliminares mostram ainda que 53% dos partos no Brasil são cesáreos, com prevalência nas regiões Centro-Oeste e Sudeste. O estudo Nascer no Brasil: Inquérito sobre Parto e Nascimento pretende conhecer as principais complicações maternas e de recém- nascidos registradas no país. Para tanto, o levantamento coleta informações sobre interrupção de gravidez, assistência pré-natal, e local e acompanhamento do parto.

Quem está inclusa nesse índice de gravidez nãoplanejada é Josilene Souza, de 24 anos. Mesmo já tendo duas gestações anteriores, ela admite que o terceiro filho a caminho não foi desejado.

?Eu sou casada e, por isso, me descuidei?, afirma Josilene, que não prevê maiores problemas na sua vida por causa da gravidez. Segundo o diretor da Maternidade Dona Evangelina Rosa, Francisco Martins, o maior problema da gravidez indesejada é quando ela ocorre com adolescentes.

?Entre as mulheres adultas, mesmo quando a gravidez não é planejada, elas aceitam, enquanto as jovens não levam a gestação a sério?, afirma o diretor. Essa imaturidade traz sérias consequências, como o aumento dos riscos na gravidez, maior índice de préeclâmpsia ou mesmo de partos cesarianos.

?As adolescentes não reconhecem a importância de serem acompanhadas através do prénatal e de fazer os exames necessários?, disse Martins.

23% dos partos na Evangelina Rosa foram de adolescentes

Enquanto algumas meninas se preocupam apenas com as roupinhas de suas bonecas, outras com idade entre 10 e 14 anos já estão entrando em uma sala de parto. Foi o que aconteceu com 33 adolescentes em 2011, somente na Maternidade Dona Evangelina Rosa.

O número foi o maior nos últimos cinco anos e, desde 2008, o gráfico de gestações na adolescência mantém uma curva ascendente. As estatísticas mostram que, no ano passado, 23% das mulheres que fizeram o parto na Maternidade Dona Evangelina Rosa eram adolescentes.

Por outro lado, se for considerada a idade de 15 a 19 anos, percebe-se que os números estão diminuindo. Em 2011, 355 adolescentes foram mães nessa faixa etária. Ao contrário do índice das gestações de adolescentes com idade entre 10 e 14 anos, o gráfico mantém uma curva descendente desde 2008.

Tais estatísticas podem revelar que, nos três últimos anos, a gravidez precoce não está acontecendo na adolescência, mas em uma fase anterior a ela, ou seja, entre meninas com idade de 10 a 14 anos.

Fonte: Nayara Felizardo