74% das pessoas recusam primeira proposta de emprego e 22% só aceitam a quinta oferta

74% das pessoas recusam primeira proposta de emprego e 22% só aceitam a quinta oferta

Segundo uma pesquisa realizada pela Robert Walters, empresa de recrutamento especializado, os brasileiros estão confiantes no mercado de trabalho.

Conseguir um bom emprego não está fácil nos dias de hoje, mas nem por isso os brasileiros costumam aceitar qualquer oferta. Segundo uma pesquisa realizada pela Robert Walters, empresa de recrutamento especializado, 74% das pessoas que procuram oportunidade no mercado de trabalho recusam a primeira proposta, enquanto 22% só aceitam a quinta oferta.

No caso de Juliana Carvalho, formada em Letras e pós-graduada em Educação para Jovens e Adultos, a proposta de emprego oferecida por uma escola da capital foi facilmente descartada.

?Eles queriam me pagar R$ 600,00 e sequer assinavam a carteira. Eu estudei muito, e ainda estudo, para aceitar uma oferta abaixo da minha qualificação?, afirma a professora, defendendo que os subempregos contribuem para a desvalorização do profissional.

Assim como Juliana, os trabalhadores brasileiros estão avaliando melhor as oportunidades, justamente por estarem se qualificando mais para ocupar vagas que atendam aos seus interesses profissionais. Por isso, as empresas também precisam ficar atentas ao que estão oferecendo, sob o risco de formar um quadro de funcionários desqualificados.

Segundo a administradora de empresas, Bruna Cacal, pessoas capacitadas tendem a escolher organizações que garantam os direitos trabalhistas e ofereçam oportunidades de crescimento. ?É preciso garantir também qualidade de vida. O colaborador é a principal fonte de renda, é o capital humano das empresas que visam obter sucesso?, ressalta a administradora.

O resultado da pesquisa da Robert Walters revela também que a confiança do brasileiro no mercado de trabalho é maior do que a média mundial. Em países como Reino Unido, Cingapura, Nova Zelândia, Malásia, Japão e Vietnã, o percentual de trabalhadores que aceitam logo a primeira oferta está entre 50% e 60%, enquanto na China e na Coréia do Sul, mais de 90% dos trabalhadores receberam mais de uma oferta.

Fonte: Nayara Felizardo