80% dos bairros não possuem coleta seletiva em Teresina

Apesar desse número, a situação já foi bem pior, em 2014, apenas 0,01% do lixo produzido na capital era selecionado.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA (23) DO JORNAL MEIO NORTE

Com o crescimento populacional, aumenta a produção de lixo doméstico, o que contribui para o aumento de resíduos sólidos despejados no meio ambiente é a melhoria na situação financeira e consumo da população. No entanto, o que se percebe é o baixo investimento da coleta seletiva e reaproveitamento do lixo no país, principalmente, em Teresina, que 80% dos bairros não possuem coleta seletiva. Apesar desse número, a situação já foi bem pior, em 2014, apenas 0,01% do lixo produzido na capital era selecionado.

Para discutir melhorias quanto a limpeza urbana da capital, que possui gasto anual de 72 milhões, que ocorreu na manhã desta quarta-feira, 22, no auditório do Crea, localizado na região central, uma audiência pública a fim de reelaborar o edital de licitação, em vista do Projeto Básico do Sistema Integrado de Limpeza Urbana de Teresina.

Segundo Marco Antônio Ayres, secretário da SEMDUH, o debate da audiência vai da conservação urbana, coleta domiciliar ao aterro sanitário, visando assim, a revisão do edital, em prol da melhoria do sistema de limpeza urbana.

“A audiência é para discutir o edital de licitação envolvendo o sistema integrado de Limpeza Urbana de Teresina. Com debates gerais, que vão desde a Capina e varrição, que é a conservação urbana, a coleta domiciliar ao aterro sanitário de Teresina. Estamos discutindo com a sociedade e órgãos competentes de controle, no caso o Ministério Público, o Tribunal de Contas, passo a passo do edital, para retirar ou acrescentar algo que seja proveitoso. Essa trata-se da terceira audiência pública que se faz desse edital, acreditamos que hoje saiamos definitivamente com algum encaminhamento para que a coisa flua, sem problemas”, destaca o secretário Marco Ayres.

Para o secretário da Semduh, a coleta seletiva será um dos pontos a serem discutidos e melhorados em Teresina. “A coleta seletiva é um dos pontos discutidos no edital. Porque, assim como as demais cidades brasileiras, estamos muito atrás de países desenvolvidos situados na Europa e também dos Estados Unidos. São 20% apenas da coleta seletiva realizada em Teresina. A gente está querendo alcançar 250 toneladas de resíduos de coleta seletiva por mês. Mas vai depender da população”, pontua Marco Ayres.

A Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU/Sul), em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), para evitar o acúmulo de lixo em áreas públicas, vai expandir o projeto de containers, que são pontos de recebimentos de resíduos e serão instalados cinco na região sul da capital, a partir do mês de maio e no segundo semestre do ano na zona sudeste. Sendo que já foram instalados cinco na zona leste e seis na zona norte.

De acordo com o secretário da Semduh, Marco Ayres, o projeto de implantação de containers, que possui investimento de 10 milhões, teve aceitação da população e tem contribuído com a redução de lixos despejados em locais proibidos.

Repórter: Márcia Gabriele

Fonte: Márcia Gabriele