80% dos criadouros do mosquito da dengue ficam em residências

Desde ontem, a população está sendo orientada por equipes da FMS a adotar uma mudança de hábito sobre limpeza de seus domicílios e seus arredores.

Análises realizadas pela Fundação Municipal de Saúde confirmam que 80% dos criadouros de mosquito da dengue estão localizados em residências e propriedades privadas.

De olho nos altos índices de infecção e na iminência de combater a febre Chikungunya, os bairros Santa Clara e Parque Maria Eduarda, na zona Sul de Teresina, receberam um mutirão de combate à dengue.

A ação tem por objetivo realizar a limpeza de terrenos abertos e também fazer a conscientização dos moradores em todas as residências do bairro, contando com uma equipe de aproximadamente 50 pessoas.

Desde ontem, a população está sendo orientada por equipes da FMS a adotar uma mudança de hábito sobre limpeza de seus domicílios e seus arredores.

Além de residências, muitas infecções acontecem por causa de focos de dengue localizados em domicílios próximos a estes locais. Por isto, a população receberá equipamentos como luvas, sacos de lixo e material informativo para ficar cada vez mais ciente de como evitar a doença.

“Nosso trabalho busca incentivar a população para que o povo e o poder público unam forças para combatermos a dengue. Com o aumento das chuvas e a chegada da febre chikungunya, o perigo da dengue aumentou e a responsabilidade de todos, também”, conta Maria Júlia Santos, coordenadora de Educação e Saúde da Fundação Municipal de Saúde.

Os bairros da zona Sul são os primeiros a receberem os mutirões, que no próximo fim de semana deverão ocupar bairros como Satélite e Usina Santana.

Os bairros Santa Clara e Parque Maria Eduarda foram escolhidos pelo alta quantidade de terrenos baldios e espaços abertos, como campos de futebol, que acumulam lixo e servem como criadouros do mosquito da dengue.

“Muitos terrenos ainda não têm cerca e até as áreas de lazer comunitário acumulam copos descartáveis e embalagens plásticas cheias de água parada. Isto é um perigo e representa risco de dengue. A população precisa ficar atenta para evitar e combater este tipo de ameaça”, detalha a especialista.

Além do recolhimento de lixo e dicas de como evitar a criação do mosquito, o mutirão também desenvolve atividades socioeducativas com as crianças a fim de esclarecer desde cedo os mais novos a combaterem a dengue.

Foram disponibilizadas imagens para colorir, lupas, estandes mostrando o ciclo de reprodução do mosquito aedes aegypti, além de armadilhas usadas pelas equipes de saúde para capturar larvas do transmissor da doença.

“Atualmente, a prevenção e combates aos criadouros é nossa única arma de evitar a dengue”, pontua Maria Júlia.

Fonte: Olegário Borges