Dicas para montar um escritório de advocacia

Dicas para montar um escritório de advocacia

Advogados podem seguir dicas de como montar seu escritório

Montar o próprio negócio é o sonho de muitos advogados, mas a decisão é considerada arriscada para quem ainda não tem experiência com gerenciamento de empresas e nem muito capital para ser investido.

Mas se mesmo com todas essas adversidades, você ainda sonha em ter seu escritório, separamos algumas dicas que vão te ajudar bastante.

1. OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) oferece cursos e palestra sobre o tema além de dar suporte em geral na forma de programas e facilidades, como escritórios compartilhados e convênios. Se desejar formar uma sociedade de advogados, saiba que os atos constitutivos da sociedade devem ser registrados na OAB e que a entidade conta com profissionais qualificados para orientar o advogado durante o processo.

2. Espaço

O ideal é alugar um espaço que deve acompanhar o crescimento do profissional. Não precisa se preocupar muito em montar um escritório grande e opulento.

3. Financiamento

É possível que tenha acesso a linhas de crédito diferenciadas para profissionais liberais com juros menores do que os praticados no mercado e período de carência de até seis meses. O PROGER Urbano – Profissional Liberal, por exemplo, incentiva o pequeno empresário e ao profissional liberal. Basta que o advogado tenha o nome limpo, conta corrente em um banco público e um fiador. O programa é oferecido pelo governo federal.

4. Equipamentos

Para montar o próprio negócio, é necessário ter os equipamentos como: um computador, uma impressora, um scanner com bandeja de rolamento, uma mesa ou estação de trabalho, uma cadeira para o advogado, um par de cadeiras para os clientes, uma estante para livros, um arquivo ou baú para os processos e um telefone celular preferencialmente dual chip. Além disso, é necessário ter algum capital para comprar papel A4 e outras despesas.

5. Certeza

Para montar isso tudo, o profissional precisa ter certeza do que está fazendo. Ele deve primeiro fazer uma avaliação completa dos prospectos do mercado de trabalho para o meio jurídico em sua região. Além de ter em mente quais as oportunidades de emprego disponíveis e, caso decida seguir em frente com o próprio escritório, estudar primeiro qual o investimento que será feito e quais as possibilidades de retorno.

Fonte: Apvogo