Aeronáutica vai ouvir piloto da TAM que fez manobra anticolisão

Segundo empresa, equipamento mostrou "outra aeronave na mesma rota"

Técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB), devem ouvir o piloto de um avião da TAM que fez uma ?manobra evasiva? na noite desta quinta-feira (24) quando se preparava para pousar no aeroporto de Congonhas. Segundo nota divulgada pela TAM, os equipamentos de bordo do avião detectaram ?a presença de outra aeronave na mesma rota?.

De acordo com o Cenipa, os técnicos devem ainda coletar informações registradas pelo avião durante o voo e ouvir funcionários da área de controle de tráfego aéreo, da torre do aeroporto e do serviço de pátio. Não há prazo para que a investigação seja concluída porque pode haver a necessidade de realização de perícias em equipamentos, por exemplo.

Para o órgão, ainda não é possível sequer afirmar se havia mesmo outra aeronave na rota do avião da TAM. De acordo com o Cenipa, o mau funcionamento de um equipamento ou mesmo a decolagem de um helicóptero que tenha cruzado a rota do avião por segundos e a uma grande distância poderiam influenciar os sistemas de informação de navegação da aeronave.

O problema como avião da TAM ocorreu no ínicio da noite desta quinta-feira. Segundo a empresa, o comandante seguiu os procedimentos de segurança prescritos para essas circunstâncias e os passageiros foram informados do ocorrido. Ainda de acordo com a empresa, o aparelho pousou, em seguida, sem consequências, às 18h52.

De acordo com o site da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o voo 3717 saiu de Natal, fez escala em Brasília e pousou em Congonhas.

Uma passageira que estava na aeronave relatou que o comandante já havia anunciado o início dos procedimentos de descida quando ocorreu a queda brusca. Mesmo usando o cinto de segurança, ela sentiu que levantou ?uns dois palmos? da poltrona.

Segundo ela, o comandante afirmou que precisou realizar a manobra por causa do tráfego aéreo. Os passageiros ficaram assustados e houve gritos e choros no voo. A assessoria de imprensa da TAM disse que não houve necessidade de atendimento de passageiros após o pouso.

O senador Romeu Tuma (PTB-SP) também estava a bordo. "Entendi mais ou menos que foi uma manobra para evitar colisão. O comandante falou que teve de fazer uma manobra ríspida. Eu fiquei preocupado com a gritaria, mas achei que fosse aquelas quedas que dão naturalmente no voo. A aeromoça caiu no colo de alguém. Foi muito rápido", diz ele. "Ele afundou em direção ao chão e deu uma balançada."

Fonte: g1, www.g1.com.br