Agentes da Strans trabalham sem veículos durante protesto

Agentes da Strans trabalham sem veículos durante protesto

Alegando estar utilizando veículos sem condição de trafegar,agentes da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito foram trabalhar ontem a pé

A pé, agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (STRANS) se dirigiram ao centro da capital para realizar trabalho prioritariamente educativo. Eles saíram sem os veículos disponíveis no órgão, alegando que eles estavam em condições irregulares para trafegar.

Com este protesto eles quiseram mostrar que sem carros adequados não podem autuar os outros que circulam pela cidade. Além de veículos melhores, eles reivindicam atualização de gratificação e estruturação do plano de cargos e salários.

?Nós saímos a pé da STRANS ao centro, porque as viaturas tão irregulares. Ninguém está trabalhando em viatura. Se der algum problema, não tem como a gente se locomover?, explica o agente Fabiano Lima, que afirmou que os carros da Superintendência não têm condição de trafegar.

Sobre os carros novos que teriam chegado ao órgão, ele afirma que sequer estão emplacados e não há estrutura de trabalho eficaz para inciar o uso destes veículos.

?Apareceram alguns carros lá, mas nem emplacados eles estão. Então não tem condição de trabalhar e estamos só fazendo trabalho educativo?, declara.

Os agentes não paralisaram por completo, pois estavam presentes em ruas como a Rui Barbosa, Álvaro Mendes, Simplício Mendes e Piassandu evitando que a população cometesse infrações nesta área da capital, onde irregularidades no trânsito são recorrentes.

Fabiano informou que a ação foi o dia todo, entrando pela noite e deve acontecer durante toda a semana, até que haja avanço nas negociações com a Prefeitura.

Segundo Fabiano, não foi apresentada contraproposta e a STRANS teria comunicado que só poderia atender as reivindicações no próximo ano. Os agentes frisam que a gratificação está desatualizada e só equivale a 13% da remuneração, quando deveria corresponder a 30%.

Pang Yen Hsiao, superintendente de Transportes, informa que já há veículos novos em condições de uso. O fato dos agentes não usarem o transporte é uma opção da categoria e não interfere nos serviços do órgão, que usa veículos basicamente para deslocamento.

Informou também que o Comitê Gestor formado pela Secretaria de Finanças, Planejamento e Administração está analisando a proposta dos agentes de trânsito para definir o que poderá ser feito pela categoria.

Fonte: Vicente de Paula