Agespisa: Abastecimento será normalizado até amanhã

Agespisa: Abastecimento será normalizado até amanhã

Raimundo Neto afirmou que dois problemas em menos de dez dias "não é normal em lugar nenhum do mundo"

O presidente da Agespisa, Raimundo Neto, pediu desculpas à população de Teresina pelos transtornos causados pela falta d?água. Hoje no programa Agora, da Rede Meio Norte, ele disse que casos como o que aconteceu na capital, em que dois problemas da mesma natureza acontecem em dois finais de semana seguidos, ?Não é normal em lugar nenhum do mundo?, mas garantiu que o abastecimento estará normalizado até amanhã, nos bairros onde ainda há falta de água.

Na tarde de sábado, na Estação de Tratamento de Água (ETA) da Agespisa, zona sul de Teresina, explodiu, comprometendo o abastecimento. Raimundo Neto contou que a Eletrobrás cedeu um novo transformador, já que o que explodiu foi o reserva, trocado na primeira explosão, há dez dias.


Agespisa se desculpa com Teresina: abastecimento normaliza até amanhã

Até agora, o abastecimento foi normalizado na maior parte da capital, mas ainda falta em alguns bairros. ?Todos os lugares onde ainda falta água são regiões altas?, afirmou Raimundo Neto. Segundo ele, a estação foi reativada ao meio-dia de domingo, e a Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco) aumentou a segurança da subestação que alimenta a ETA, instalando chaves próximo ao transformador, para garantir que não haverá uma terceira explosão.

O presidente afirmou também que o superconsumo de água que tem ocorrido por conta da falta de água, por parte da população, que tem estocado o líquido com medo de uma nova queda no abastecimento, ajuda na lentidão do restabelecimento do serviço. Raimundo Neto pediu à população para que, se possível, coperar com a Agespisa e não fazer mais estoques, para que a água dos locais mais baixos possa alcançar os bairros mais elevados.


Agespisa se desculpa com Teresina: abastecimento normaliza até amanhã

?Já fizemos dois novos pedidos de transformadores?, afirmou o presidente. ?São equipamentos caros, de mais de R$ 500 mil cada um?, contou. Raimundo Neto disse que os técnicos da Agespisa estão trabalhando 24 horas por dia desde o ocorrido, mas que ainda não pode dizer o que aconteceu. ?Não vou ser irresponsável de acusar alguém agora. É preciso que os laudos periciais técnicos sejam concluídos?, afirmou.

Fonte: Andrê Nascimento