Alagamento: imóveis podem desvalorizar até 50% em THE

Alagamento: imóveis podem desvalorizar até 50% em THE

Arquitetos recomendam um estudo completo da área antes da aquisição do imóvel

Com o período chuvoso, áreas comuns a alagamentos em Teresina são facilmente identificadas. O grande volume de águas que impede o tráfego de veículos e pessoas se tornou um obstáculo para quem lida com o mercado imobiliário.

Por conta dos alagamentos os imóveis em áreas de risco perdem o valor, havendo demora no fechamento de negócios para quem quer vender, pois quem deseja comprar acaba optando por áreas mais seguras.

Tomando como exemplo a zona leste, o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci), Nogueira Neto, enumera trechos mais críticos de uma área considerada privilegiada, porém, sem estrutura. ?Precisamente no São Cristóvão, na rua Eustáquio Portela, até as proximidades do Pão-de-açúcar, essa região é severamente castigada com o inverno, outro trecho é o da Dom Severino com a Castelo Branco, assim como parte do bairro São João. Infelizmente depende do poder público a solução desses problemas?

Em Teresina, imóveis construídos em áreas de alagamentos, em média, atingem um índice de desvalorização de quase 50%, é o que afirmam especialistas do mercado imobiliário.

Se de um lado os imóveis em áreas consideradas de risco podem levar até dois anos para serem vendidos, por outro, imóveis fora de áreas com riscos de alagamentos a negociação pode variar entre oito e doze meses. Assim como os corretores, os arquitetos admitem que o problema é grave. Eles recomendam um estudo completo da área está como uma das principais medidas por parte de quem deseja comprar um imóvel.

VEJA AS RECOMENDAÇÕES NA REPORTAGEM DE EUGÊNIA REIS

Fonte: Denison Duarte