Alunos da UFPE criam site para dar um lar a gays expulsos de casa

O “Mona Migs” vai muito além de uma mera plataforma digital

Criado durante uma competição de startup, um grupo de oito estudantes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) resolveu desenvolver um site que serviria como uma ponte entre homossexuais expulsos de casa com pessoas dispostas a ceder o aconchego de um lar.

O “Mona Migs” vai muito além de uma mera plataforma digital. Como o próprio slogan diz “Somos todos uma família!”, ele dá chance a essas pessoas de serem acolhidas e apoiadas em um momento que pode ser muito difícil de enfrentar.

“Vimos recentemente vários casos de gays expulsos de casa e queríamos ajudar. São pessoas que já estão fragilizadas e, por isso, precisamos de pessoas sensibilizadas, que entendam a gravidade da situação. O ‘Mona Migs’ é uma família adotiva, um apoio nesse momento difícil”, defende o estudante de designer e um dos criadores, Pedro Magalhães, de 19 anos.

A ideia surgiu de uma experiência particular que aconteceu uma semana antes do evento. Foi o ponto de partida para transformar um caso isolado em uma rede do bem.

“Eu e uns amigos nos mobilizarmos para ajudar um menino expulso de casa. No dia da criação, lembramos como seria útil se houvesse uma plataforma como essa”, relembra o estudante ao dizer que não tinham noção da proporção que a iniciativa tomaria.

“Ver as pessoas comentando, dizendo que querem ajudar. É incrível, uma sensação de realização enorme.Funcionando há apenas uma semana, o site já conta com 512 pessoas cadastradas com desejo de disponibilizar uma casa, mas ninguém precisando da ajuda. O que, para Pedro, é ótimo.

“Nós não queremos que ninguém seja expulso, pelo contrário, mas quando acontecer já vamos ter um banco de dados para essa pessoas encontrar um amparo o mais rápido possível”.

O envolvimento pessoal continua sendo algo latente mesmo após a criação do projeto. Para garantir a segurança, tanto de quem oferece a casa quanto de quem a necessita, o grupo bate de porta em porta para checar os dados e a capacidade de acolher dos cadastrados.

“A pessoa está fragilizada e, por isso, a segurança é muito importante. Estamos querendo criar laços e não só oferecer uma casa. Queremos que essa pessoa perceba que não está ligado só à família biológica, mas que há outras pessoas que se importam”, ponderou.

Para oferecer um lar é preciso preencher um formulário online contendo nome, CPF, CEP e por quantos dias pode receber essa pessoa em casa. Já quem precisa de ajuda tem que comunicar o nome, um e-mail, da onde é e um depoimento do que aconteceu.

“Estamos em fase de testes ainda, não temos todos os recursos para ampliar como gostaríamos, mas estamos buscando todos os meios para alcançar isso. Não tem porque não chegarmos num ponto de disponibilizarmos o site mundialmente", almeja Pedro.

Site já tem 512 cadastradas dispostas a ajudar  (Crédito: Divulgação)
Site já tem 512 cadastradas dispostas a ajudar (Crédito: Divulgação)


Fonte: Com informações: G1