Nissan March e Versa serão fabricados na unidade em Resende

Nissan March e Versa serão fabricados na unidade em Resende

March, apresentado pela marca como o primeiro popular japonês do país

Anúncio oficial foi feito nesta quinta no Rio de Janeiro, com a presença do CEO Carlos Ghosn e do governador Sérgio Cabral


Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, para nova fabrica Nissan.

Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, para nova fabrica Nissan.

Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, para nova fabrica Nissan.

Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, para nova fabrica Nissan.

Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, para nova fabrica Nissan.

Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, para nova fabrica Nissan.

Anunciando investimentos de R$ 2,6 bilhões, a Nissan firmou hoje (6/10) o acordo com o governo do Rio de Janeiro para instalação de uma unidade fabril na cidade de Resende, no sul do estado fluminense. A fábrica começa a funcionar no primeiro semestre de 2014, terá capacidade inicial para produzir 200 mil veículos por ano e irá gerar 2 mil empregos diretos e 2 mil postos de trabalho indiretos. Os primeiros modelos anunciados para a nova unidade são o hatch compacto March e o sedã compacto Versa, que até lá serão vendidos importados do México. Os modelos Nissan Livina, Grand Livina, X-Gear e Frontier continuarão sendo produzidos na unidade fabril que a Nissan compartilha com a Renault em São José dos Pinhais, no Paraná.

?A Nissan tem um novo objetivo para o Brasil: ser a marca asiática com mais participação no mercado nacional?, afirmou Carlos Ghosn, CEO global da aliança Renault-Nissan. Com a introdução de 10 novos modelos até 2016, a fabricante nipônica almeja sair dos atuais 1,7% de participação no mercado brasileiro para 5% em 4 anos. Além disso, quer expandir sua cobertura para 90% do território nacional, salto considerável diante dos 23% de presença atuais.

Os modelos produzidos em Resende compartilharão a plataforma global V, chave do plano de metas Nissan Power 88, que ambiciona 8% de participação no mercado global e 8% de lucro operacional até o fim de 2016. ?O Brasil será um mercado estratégico para a Nissan na América Latina. Nossa marca está decidida a investir fortemente nos países emergentes, construindo também novas unidades na Índia, Rússia e China?, complementou Ghosn.

O governador Sérgio Cabral reiterou o interesse em implantar no estado um parque automotivo referência no Brasil. A região do Vale do Paraíba já possui unidades do grupo francês PSA Peugeot Citroën, do segmento de veículos de passeio, na cidade de Porto Real, e do grupo alemão MAN Latin America, do segmento de caminhões e ônibus, em Resende. ?O Brasil vive um momento de economia pungente e o Rio de Janeiro está disposto a se destacar nesse cenário. Nosso estado tem recebido mais investimentos estrangeiros e nacionais do que qualquer outra unidade da federação?, afirmou Cabral.

Durante a cerimônia de assinatura do memorando de implantação da fábrica, o governador fluminense agradeceu a interlocução do empresário carioca Eike Batista. Apesar de não ter envolvimento direto com o negócio, o presidente do grupo EBX atuou como interlocutor entre os executivos da marca japonesa e o governo do Rio de Janeiro. Sérgio Cabral também destacou o interesse da Nissan em desenvolver projetos sociais no estado, começando com a comunidade do Caju, na Zona Portuária da capital, e estendendo as ações posteriormente para o município de Resende.

A cerimônia realizada no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador do Rio, contou com a presença de um exemplar do hatch popular March, que começa a ser vendido ainda este mês, e de uma unidade do elétrico Leaf. Questionado sobre a possibilidade de a Nissan produzir carros elétricos no Rio de Janeiro, o governador foi evasivo. ?Os carros elétricos são, indiscutivelmente, o futuro deste segmento. O Brasil terá que seguir o exemplo dos EUA, Japão e Europa e passar a incentivar essa ideia?, considerou, sem apresentar intenções concretas para a empreitada.

A estratégia de expansão da Nissan no Brasil começa com o lançamento do March, apresentado pela marca como o primeiro popular japonês do país, e segue com o sedã Versa, ambos importados num primeiro momento do México ? sem prejuízo de aumento do IPI. A meta da marca é abocanhar 3% de participação do mercado brasileiro até o fim do ano. O plano também contempla o aumento no número de concessionárias. A fabricante nipônica possui atualmente 117 distribuidores no país, e quer ampliar sua rede para 239 representantes até 2016.

Fonte: ;o