Após decisão da Justiça, cigana leva filha para casa

Mulher foi buscar criança em abrigo no começo da noite desta quinta.

A cigana Gervana Dias recuperou no início da noite desta quinta-feira (18) a filha de 1 ano e 2 meses que havia sido levada na segunda-feira (15) para um abrigo público. O juiz Jefferson Barbin Torelli, da Vara da Infância e Juventude de Jundiaí, determinou a apreensão da criança com base na informação de que ela estava sendo explorada pela mãe. Segundo a denúncia, a mulher pedia esmola com a filha no centro da cidade.

O mesmo juiz determinou nesta quinta que a criança fosse devolvida aos pais, após acolher os argumentos de que o casal tem residência fixa e que a criança não sofreu exploração ou maus-tratos. Assim que pegou a criança no colo, ainda na rua, Gervana deu de mamar ao bebê. Antes disso, perguntou para a avó se a menina não estranharia o peito, uma vez que passou quatro dias afastada da família. "Será que ela não vai ficar desconfiada?", perguntou.

A família embarcou em um Monza preto em direção a Campinas, de onde devem partir ainda nesta semana para Jacutinga, no interior de Minas Gerais. De acordo com o advogado da família, o processo continuará sob acompanhamento do Conselho Tutelar da cidade mineira. A mãe, que diz ganhar dinheiro com a leitura de mãos, afirmou nesta tarde, no Fórum de Jundiaí, que daqui por diante contratará uma pessoa para tomar conta da menina, para evitar novos conflitos com a Justiça.

A Guarda Civil retirou a criança do colo da mãe na segunda-feira (15). As imagens foram gravadas e comoveram o país. Na audiência de conciliação desta quinta-feira, o mesmo juiz que determinou a apreensão acolheu os argumentos da defesa e mandou que a criança voltasse para a mãe.

Avó e mãe

A guarda que puxou a menina dos braços das mães falou com o G1 na noite de quarta-feira (17). "Ninguém acredita realmente que existe algum prazer neste ato?, disse Isis Regina de Abreu Fernandes, de 52 anos. ?Mas, infelizmente, estava lá como profissional. Havia uma determinação que eu tinha que cumprir?, disse a mulher, que é mãe de dois filhos e avó de três netos.

Fonte: g1, www.g1.com.br