Após greve, carteiros vão trabalhar até nos fins de semana

O movimento grevista foi suspenso depois da decisão do Tribunal Superior do Trabalho.

Na manhã de ontem, membros do Sindicato dos Correios e Telégrafos do Piauí (Sintect) reuniram-se em assembleia e puseram fim à greve da categoria, que teve início no dia 14 de setembro.

O movimento grevista foi suspenso depois da decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que determinou que os grevistas voltassem ao trabalho. Agora, para normalizar a entrega das correspondências acumuladas, os carteiros do Piauí terão de reforçar o trabalho nos finais de semana. A informação é de Sérgio de Castro, da diretoria do Sintect-PI.

Segundo ele, os carteiros vão trabalhar aos sábados para entregar as encomendas e cartas que não foram entregues no período da greve. “Também trabalharemos dois domingos de cada mês”, disse ele. Castro estima que, no Piauí, 2,5 milhões de cartas e encomendas tenham ficado com a entrega atrasada por conta da paralisação das atividades.

No país inteiro, esse número chegou a 187 milhões. O sindicalista avaliou como positivos os resultados da mobilização. “Não foi exatamente como queríamos, mas acho que foi bom. Isso porque a empresa oferecia uma aumento de R$ 50 a partir de janeiro, e conseguimos um aumento de R$ 80, já a partir deste mês de outubro”, elencou Castro.

No entanto, ele lamentou o fato de que a categoria teve sete dias de greve descontados de seus vencimentos Além do aumento linear do salário, a categoria obteve ainda reajuste dos benefícios de 6,87%, retroativo a 1º de agosto. O sindicato não informou o período de tempo exato que será necessário para normalizar as atividades.

No início da mobilização, os servidores reivindicaram a reposição de perdas salariais, na ordem dos 24%, além de um aumento salarial linear de R$ 400, bem como aumento nos valores do vale-alimentação e da cesta básica.

Fonte: Dowglas Lima