Acusado de matar professora se livra da prisão por causa da Lei Eleitoral

O acusado se reservou no direito de falar somente em juízo

Francisco de Assis acusado de matar a professora Adriana Tavares e de tentar assassinar sua ex-mulher Maria das Dores Campos esteve na manhã desta sexta-feira (24) na delegacia de Campo Maior, mas foi liberado no início da tarde.

O crime aconteceu no dia 22 deste mês na estrada que liga a comunidade Corredores à PI-115.

O acusado foi interrogado, mas reservou-se no direito de falar somente em juízo. Ele foi preso após o flagrante e foi beneficiado com a Lei Eleitoral que impede a prisão de qualquer eleitor em dias com suas obrigações. A lei diz que só pode ser preso em flagrante delito.

Uma multidão esperava sua saída pela porta da frente da delegacia, entretanto ele saiu pelos fundos na tentativa de evitar que fosse linchado pela população.

Ele pulou a janela da sala de audiência, saiu pela porta que da acesso ao fundo da delegacia e foi embora em um carro modelo Strada de Cor Prata. Vizinhos que residem por trás da delegacia disseram que viram no momento em que ele saiu. “Abriram o portão e ele saiu caminhando até entrar num carro. Ele estava de bermuda e com uma camisa marron”, disse um dos vizinhos.

Alguns motoqueiros que faziam guarita no local ainda seguiram o veiculo até o posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) sentido a Teresina, mas retornaram. Um deles retornou a delegacia dizendo que ainda conseguiu dá alguns chutes no carro, mas não conseguiu pará-lo.

Matéria relacionada:

Mulher leva 7 facadas de ex-marido e amiga morre após ser perseguida pelo acusado

Curta o Portal Meio Norte no Facebook




 

Fonte: campomaioremfoco