Após polêmica, parte de hospital inaugurado há 1 mês com show de Ivete desaba após chuva

Após polêmica, parte de hospital inaugurado há 1 mês com show de Ivete desaba após chuva

O cachê do show de Ivete Sangalo para a inauguração do HRN é contestado pelo MPC.

Uma forte chuva que atingiu a cidade de Sobral (a 240km de Fortaleza) neste domingo (17) derrubou parcialmente a fachada do Hospital Regional Norte. No incidente, um funcionário da manutenção da unidade ficou ferido, mas sem gravidade.

O hospital é o mesmo que foi inaugurado há exatamente um mês com um show da cantora baiana Ivete Sangalo. O cachê pago a ela pelo governo do Estado do Ceará, no valor de R$ 650 mil, está sob investigação do Ministério Público de Contas do Estado. Sobral é a cidade natal do governador Cid Gomes (PSB).

Em nota enviada à imprensa na tarde deste domingo, a Secretaria Estadual da Saúde do Ceará (Sesa) informou que o governo estadual já solicitou explicações ao Consórcio Marquise/EIT, que construiu o hospital, a fim de que sejam dadas explicações para o desabamento da fachada do prédio que foi entregue há um mês. O UOL tentou entrar em contato com o consórcio, mas não obteve retorno até o momento.

De acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), a chuva atingiu outros 124 municípios cearenses, sendo a Região do Cariri, no Sul do Estado, a mais afetada, após quase dois anos de estiagem. O relatório parcial do órgão aponta que foram mais de 2.270 milímetros de chuva em todo o Estado.

No município de Mauriti, por exemplo, foram registrados 120 milímetros, segundo informações da Fuceme. Já no município de Barro, também no Cariri, as precipitações foram de cerca de 97,2mm. Em Jaguaretama, no Vale do Jaguaribe, choveu 80mm.

O cachê do show de Ivete Sangalo para a inauguração do HRN (Hospital Regional Norte) Dr. José Euclides Ferreira Gomes Júnior é contestado pelo MPC (Ministério Público de Contas) do Ceará.

O MPC chegou a pedir por meio de petição que a Casa Civil se abstivesse "de efetuar o pagamento". O TCE analisar o processo --que inclui a petição do MPC mais o relatório técnico.

O MPC alegou, à época, que o governo do Estado deveria ter apresentado "três propostas pertinentes ao ramo de atividade em contratação para que se possa demonstrar a justificativa de preço".

Na representação, o MPC pediu que não fosse efetuado o pagamento a Ivete Sangalo até que "se demonstre o cumprimento de todos os requisitos legais e que apresente novos esclarecimentos, juntamente com a devida documentação, que evidenciem que o cachê pago à artista em recentes contratações, tanto pelos órgãos públicos, como na iniciativa privada, se assemelham a proposta apresentada de R$ 650 mil."

Fonte: UOL